Uma pesquisa realizada pelo Instituto Adolfo Lutz e pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP) descobriu que seis marcas diferentes de salames vendidos em São Paulo possuem contaminantes prejudiciais à saúde humana.  

Resumo da pesquisa: 

  • O estudo avaliou 22 amostras de 14 marcas diferentes; 
  • Os salames foram vendidos na cidade de São Paulo entre 2019 e 2021;   
  • Das seis mostras contaminadas, duas apresentaram contaminação acima do limite tolerável pelos parâmetros europeus; 
  • A legislação europeia sobre quantidade de compostos em embutidos foi utilizada pelos cientistas porque o Brasil não tem uma regulamentação específica; 

Leia mais! 

Conforme divulgado pelo G1, o termo técnico para os contaminantes encontrados é HPA (hidrocarbonetos policíclicos aromáticos). Eles são compostos químicos que surgem da queima incompleta de matéria orgânica, como madeira, carvão e combustíveis fósseis. 

publicidade
Imagem: shutterstock/yingko

A pesquisa teve apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). De acordo com a instituição, as fontes mais frequentes do HPA são: 

As queimadas da mata, os veículos automotivos, a fumaça de cigarros e vários processos industriais. A degradação dessas partículas no ambiente é lenta e elas podem se incorporar aos alimentos por contaminação do ar, da água ou do solo e também pelo cozimento ou em alguma etapa do processo de produção. 

FAPESP

Para os pesquisadores, produtos podem estar passando por processos de defumação sem o uso de filtros para fumaça, que reduzem a presença desses compostos — o método é tradicional, utilizado porque a lei brasileira ainda permite essa modalidade. O estudo foi publicado na revista científica Food Analytical Methods

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!