A Meta, dona do Facebook, deu a milhares de funcionários classificações abaixo da média em rodada de avaliações de desempenho recentemente concluída, um sinal de que mais cortes de empregos podem estar a caminho, segundo fontes próximas à empresa.

A companhia também cortou métrica de bônus, segundo as fontes, uma das várias medidas que os executivos seniores estão tomando depois que o presidente-executivo Mark Zuckerberg declarou que 2023 seria um “ano de eficiência”.

publicidade

Leia mais:

A liderança da Meta espera que as avaliações levem mais funcionários a sair nas próximas semanas, ainda segundo as fontes. A dona da rede social considerará outra rodada de demissões se não houver o suficiente. Cerca de 11 mil trabalhadores, cerca de 13% dos funcionários, foram demitidos recentemente.

publicidade

O processo de avaliação de desempenho da Meta valida o que a empresa comunicou aos funcionários, disse um porta-voz da companhia de Mark Zuckerberg. “Sempre tivemos cultura de alto desempenho baseada em metas e nosso processo de revisão visa incentivar o pensamento de longo prazo e o trabalho de alta qualidade, ajudando os funcionários a obter feedback acionável”, disse.

As avaliações de desempenho recentemente encerradas foram vistas como retorno à forma de Zuckerberg, que, antes da pandemia, havia desenvolvido reputação de dar feedback direto aos trabalhadores. Um ex-funcionário descreveu o processo como um retorno ao “OG Mark” ou “old school Zuck”.

publicidade

Estamos trabalhando para achatar nossa estrutura organizacional e remover algumas camadas de gerenciamento intermediário para tomar decisões mais rapidamente, bem como implantar ferramentas de IA para ajudar nossos engenheiros a serem mais produtivos.

Mark Zuckerberg, em papo com investidores no início deste mês

Desde o ano passado, os executivos da Meta sugeriram que os de baixo desempenho não durariam na empresa. “Realisticamente, provavelmente há um monte de gente na empresa que não deveria estar aqui”, disse Zuckerberg em junho de 2022.

Os gerentes da Meta atribuíram a aproximadamente 10% dos funcionários uma classificação de “atende mais”, disseram fontes. Existem cinco classificações possíveis na Meta, e “atende mais” é a segunda mais baixa.

publicidade

O mais baixo – “atende a alguns” – é raro, disseram as fontes. Os trabalhadores que recebem duas classificações de “atende mais” seguidas são colocados em planos de melhoria de desempenho, e aqueles que recebem uma classificação inferior a isso são automaticamente colocados no plano.

Dentro da Meta, alguns funcionários consideram essa classificação como sinal para procurar novas oportunidades de trabalho.

Em conjunto com as avaliações de desempenho, a Meta informou aos funcionários que um componente dos bônus dos funcionários – o desempenho da empresa – seria pago em 85% de sua meta, de acordo com pessoas familiarizadas com sua forma de pagamento.

Esse número é um dos três usados para determinar o bônus anual de cada funcionário. Em 85%, caiu pelo menos 15 pontos percentuais em relação ao ano anterior e abaixo de 100% pela primeira vez desde o primeiro semestre de 2018, de acordo com fontes familiarizadas com os números. A única outra vez em que o multiplicador em toda a empresa caiu tanto foi no primeiro semestre de 2012.

A empresa tem lutado no último ano e meio, enfrentando concorrência crescente do rival chinês TikTok e declínio na demanda por publicidade em meio a clima macroeconômico difícil. As perspectivas da empresa começaram a melhorar desde que ela enfatizou as tecnologias de inteligência artificial em 2022 para incrementar suas ferramentas de segmentação de anúncios e recomendação de conteúdo.

Desde abril de 2021, a Meta enfrenta os efeitos das mudanças no rastreamento de anúncios da Apple, que a empresa de mídia social disse no ano passado custaria cerca de US$ 10 bilhões em receita em 2022. Nos últimos três trimestres, a Meta registrou queda de receita ano a ano.

Marne Levine, diretora de negócios da empresa durante esse período, disse na segunda-feira (13) que deixará o cargo no final deste mês e deixará a empresa no verão estadunidense, ou seja, em meados de junho.

A Meta respondeu à sua difícil situação financeira em novembro, quando anunciou as demissões. Também apertou o cinto reduzindo o espaço do escritório, mudando para o compartilhamento de mesas para alguns funcionários e estendendo o congelamento de contratações até o primeiro trimestre de 2023.

As mudanças começaram a fazer efeito. Apesar de declínio contínuo na receita, a Meta registrou neste mês lucro líquido de US$ 4,7 bilhões no quarto trimestre, acima do trimestre anterior.

Isso quebrou sequência de três trimestres em que o lucro havia recuado em relação ao trimestre anterior – queda diferente de qualquer outra que a empresa havia experimentado em uma década.

Com informações de The Wall Street Journal

Imagem destacada: rafapress/Shutterstock

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!