Veganos e ovolactovegetarianos geralmente defendem que retirar a carne da dieta é mais ético com os animais e contribui para o meio ambiente. No entanto, um novo estudo aponta que hábitos vegetarianos podem ser mais prejudiciais ao planeta do que alimentação baseada em proteína animal.

A pesquisa realizada na Universidade da Geórgia, e publicada no Journal of Political Ecology aponta que uma alimentação composta principalmente por vegetais e com consumo de carne local e limitado pode ser a melhor forma tanto para proteger o meio ambiente quanto para demonstrar empatia com os animais.

Não há nada de sustentável nesse modelo baseado em plantas. É realmente muita maquiagem verde [greenwashing: técnica de marketing que é associada a apropriação injustificada de virtudes ambientais]. Você realmente não precisa olhar muito longe para ver o quão problemática é essa narrativa

Amy Trauger, autora do estudo, em resposta à Phys

Leia mais:

Proteína vegetal

A soja, usada principalmente nos Estados Unidos, para a produção de substitutos proteicos como o tofu e tempeh, não é plantada lá. Geralmente, grande parte dela é importada da Índia à custa de devastação ambiental e destruição de habitat animal no país. Além disso, os campos de agricultura destinados ao propósito de exportação poderiam ser utilizados para acabar com a insegurança alimentar da população local.

publicidade

A distância de milhares de quilômetros feita no transporte da soja da Índia para os Estados Unidos também tem altos custos para o meio ambiente.

Outros produtos usados de substitutos, como o óleo de palma, também acarretam desmatamento de florestas e perda de biodiversidade na Indonésia, Malásia, Tailândia e Nigéria. Além dos danos ambientais, denúncias de violação dos direitos humanos, como trabalho infantil, abuso sexual e exposição a pesticidas perigosos, são comuns nesses locais.

As pessoas priorizam a vida do gado e dos animal domesticado em detrimento da vida das pessoas que cultivam óleo de palma ou soja. As empresas adoram anunciar às pessoas que comer dessa maneira fará diferença no mundo, mas não fará.

Amy Trauger

A redução do consumo de carne ajudaria muito a diminuir as mudanças climáticas. No entanto, o problema que o consumo de proteína animal causa ao planeta está mais relacionado à indústria de carne do que aos animais.

Produção de carne em pequena escala

A criação de animais para produção de carne pode até mesmo ajudar o meio ambiente, Trauger usa como exemplo os porcos. Se os suínos são criados soltos e em pequena escala, no meio de florestas, eles podem se alimentar de vegetais encontrados no campo ao mesmo tempo que contribuem para a saúde do solo, e consequentemente do ecossistema. 

Um único porco pode produzir cerca de 150 kg de carne, que alimentaria uma família por meses. A produção em baixa escala, também reduz o uso de plásticos, gera empregos locais e faz com que o percurso que a carne tem que fazer do produtor até a casa dos consumidores seja curto.

Definitivamente, há um argumento para reduzir a quantidade de carne que comemos, mas podemos atender a uma boa parte de nossas necessidades de proteína com uma pequena quantidade de produtos de origem animal, como carne ou ovos. Enquanto isso, coisas como abacate, coco, cacau e café são à base de plantas, mas estão destruindo o meio ambiente e os meios de subsistência.

Amy Trauger

Você concorda com o estudo? Deixe sua opinião nos comentários e contribua para uma sociedade mais esclarecida.

Via Phys.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!