Um avião da marca Universal Hydrogen, equipado com a maior célula de combustível de hidrogênio já usada em uma aeronave, fez seu primeiro voo de teste no leste de Washington, nos Estados Unidos. O cofundador e CEO Paul Eremenko declarou o momento como o alvorecer de uma “nova era de ouro da aviação”.

  • O posto de maior célula de combustível de hidrogênio a já voar agora pertence à Universal Hydrogen
  • A empresa usa uma aeronave Dash-8 modificada para voar movida a hidrogênio
  • O voo inaugural durou 15 minutos e foi um sucesso
  • Apesar de ter sido um marco, o primeiro voo ainda foi feito com o auxílio de combustível de avião

O voo de teste de 15 minutos de uma aeronave Dash-8 modificada foi curto, mas mostrou que o hidrogênio pode ser viável como combustível para aeronaves de passageiros de voos curtos. Isto é, se a Universal Hydrogen – e outras companhias do mundo emergente do voo de hidrogênio – conquistar o progresso técnico e regulatório necessário para torná-lo um produto popular.

Leia mais:

Aeronaves Dash-8 geralmente transportam até 50 passageiros em voos curtos. O Dash-8 usado no voo de teste de quinta-feira do Aeroporto Internacional de Grant County, em Moses Lake, tinha uma carga diferente. O avião de testes da Universal Hydrogen, apelidado de Lightning McClean, tinha apenas dois pilotos, um engenheiro e muita tecnologia a bordo, incluindo um motor elétrico e uma célula de combustível de hidrogênio fornecida por outras duas startups.

publicidade

O interior continha dois racks de eletrônicos e sensores e dois grandes tanques de hidrogênio com 30 kg de combustível. Abaixo da asa direita do avião, um motor elétrico da magniX estava sendo acionado pela nova célula de combustível de hidrogênio da Plug Power. Este sistema transforma hidrogênio em eletricidade e água – um motor livre de emissões que Eremenko acredita representar o futuro da aviação.

A célula de combustível operou durante todo o voo, gerando até 800kW de potência e produzindo nada além de vapor d’água, para a satisfação de uma multidão de engenheiros e investidores da Universal Hydrogen.

Achamos que é uma conquista monumental. Isso nos mantém no caminho certo para ter provavelmente o primeiro avião a hidrogênio certificado em serviço de passageiros.

Paul Eremenko, cofundador e CEO da Universal Hydrogen

Atualmente, a aviação contribui com cerca de 2,5% das emissões globais de carbono e está prevista para crescer 4% anualmente.

Apesar do progresso, o voo ainda usou combustível de avião

O voo de teste, que foi um sucesso, não significa que a aviação totalmente de carbono zero esteja chegando. Sob a outra asa do Dash-8 funcionava um motor turboélice Pratt and Whitney padrão, com cerca de duas vezes mais potência do que o lado da célula de combustível.

Essa redundância ajudou a facilitar o caminho com a FAA, que emitiu um certificado experimental de aeronavegabilidade especial para os testes Dash-8 no início de fevereiro. Um dos pilotos de teste, Michael Bockler, disse ao TechCrunch que a aeronave “voou como um Dash-8 normal, com apenas uma leve guinada”.

Ele notou que em um ponto, em voo nivelado, o avião estava voando quase inteiramente com energia de célula de combustível, com o motor turboélice desacelerado.

Até que ambos os motores sejam acionados por hidrogênio, isso ainda é apenas um show. Mas não quero zombar disso porque precisamos desses trampolins para aprender.

Engenheiro sênior consultor da indústria de aviação sustentável ao TechCrunch

Parte do problema com as células de combustível de hoje é que elas podem ser difíceis de resfriar. Os motores a jato funcionam muito mais quentes, mas expelem a maior parte desse calor pelos escapamentos. Como as células de combustível usam uma reação eletroquímica em vez de simplesmente queimar hidrogênio, o calor residual deve ser removido por meio de um sistema de trocadores de calor e respiradouros.

Mark Cousin, diretor de tecnologia da Universal Hydrogen, disse ao TechCrunch que sua célula de combustível pode funcionar o dia todo sem superaquecer, graças aos seus grandes dutos de ar.

Outra questão para aeronaves com célula de combustível é armazenar o hidrogênio necessário para voar. Mesmo em sua forma líquida mais densa e super-resfriada, o hidrogênio contém apenas cerca de um quarto da energia de um volume semelhante de combustível de aviação. Os tanques de asa são grandes o suficiente apenas para os voos mais curtos e, portanto, o combustível deve ser armazenado dentro da fuselagem.

O voo de 15 minutos de ontem usou cerca de 16 kg de hidrogênio gasoso – metade da quantidade armazenada em dois tanques do tamanho de uma motocicleta dentro do compartimento de passageiros. A Universal Hydrogen planeja converter sua aeronave de teste para operar com hidrogênio líquido ainda este ano.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!