Entre as reações mais comuns da vacina bivalente da Pfizer contra a Covid-19, estão: dor no local da injeção, dor de cabeça e dores no corpo. A dose protege contra a variante original do coronavírus e a ômicron, mais predominante no mundo.

Agências reguladoras mundo a fora – por exemplo, Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), FDA (sigla em inglês para Food and Drug Administration) e OMS (Organização Mundial da Saúde) – analisaram e aprovaram as doses bivalentes. Ou seja, comprovaram sua segurança e eficácia como reforço de vacina contra a Covid.

Leia mais:

Reações comuns da vacina bivalente Pfizer

Enfermeira aplicando vacina contra Covid em braço de mulher
Dor no local da injeção, dor de cabeça e dores no corpo estão entre reações mais comuns da vacina bivalente Pfizer (Imagem: José Cruz/Agência Brasil)

Antes de mais nada, os efeitos mais comuns da vacina, reportados por quem já a tomou, são:

publicidade
  • Dor no local da injeção;
  • Dor de cabeça;
  • Dores no corpo (mialgia);
  • Fadiga;
  • Febre;
  • Calafrios.

Em suma, são os mesmos efeitos sentidos por quem tomou reforços das vacinas monovalentes (desenvolvidas para proteger contra uma variante do coronavírus). Aliás, esses sintomas são considerados leves e passam em até 24 horas após a aplicação.

Por isso, os profissionais de saúde orientam, nos postos de saúde, as pessoas a monitorarem a intensidade dos efeitos. Se piorarem, eles recomendaram tomar algum analgésico.

Reações raras

Dose da vacina bivalente da Pfizer contra Covid
Entre as reações da raríssimas da vacina bivalente da Pfizer, estão arritmia, miocardite e falta de ar (Imagem: Lucas Rezende/Divulgação)

Por outro lado, entre os efeitos colaterais menos comuns da vacina bivalente da Pfizer – esses considerados de moderados a severos – estão:

  • Miocardite (inflamação do miocárdio);
  • Pericardite (inflamação do pericárdio);
  • Dores no peito;
  • Falta de ar;
  • Arritmia.

Porém, esses efeitos são considerados extremamente raros. Para você ter uma ideia, entre 22 milhões de vacinados com a bivalente nos EUA, cinco tiveram miocardite e quatro tiveram pericardite. Ou seja, esses casos representam 0,0000025% do total.

Fontes: Pfizer e Folha de S. Paulo

Imagem de destaque: Divulgação / Pfizer

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!