Há anos, satélites têm sido usados para medir a poluição do ar do espaço, mas agora, pela primeira vez, um sensor de poluição do espaço da NASA será capaz de fornecer dados sobre a distribuição de poluentes atmosféricos sobre os Estados Unidos, sem pausas e em tempo real.

  • O sensor TEMPO será posicionado para captar dados de distribuição de poluentes sobre os EUA
  • Diferentemente de outros sensores já existentes, o TEMPO captará dados sem pausas e em tempo real
  • O TEMPO será lançado ao espaço em um dos foguetes Falcon 9 da SpaceX no dia 7 de abril de 2023
  • Ele será montado no satélite de telecomunicações Intelsat 40e operado pela empresa americana Intelsat

O novo sensor, chamado de Tropospheric Emissions: Monitoring of Pollution (Emissões Troposféricas: Monitoramento da Poluição, em tradução livre), ou TEMPO, será o primeiro instrumento desse tipo que medirá as concentrações de poluentes atmosféricos perigosos da órbita geoestacionária, 36.000 quilômetros acima do equador, onde os satélites permanecem acima de um ponto fixo na Terra.

Leia mais:

Deste ponto de vista, o sensor TEMPO será capaz de detectar mudanças de hora em hora nas concentrações de óxido de nitrogênio, ozônio e formaldeído acima de todo os EUA, permitindo aos cientistas a primeira oportunidade de monitorar não apenas como os níveis de poluição do ar variam durante o dia, mas também onde o ar os poluentes fluem como resultado de processos atmosféricos.

publicidade

Todos os sensores anteriores de poluição do ar transportados pelo espaço foram montados em satélites em órbita baixa da Terra, orbitando nosso planeta a uma altitude de 1.000 km ou menos. Mas, embora esses satélites completem até 15 voltas ao redor da Terra por dia, só conseguem ver a mesma região cerca de uma vez por dia, o que não é suficiente para entender como as concentrações de poluição do ar mudam em um único dia.

Esses orbitadores passam por um lugar específico na Terra, geralmente na mesma hora do dia. Portanto, todos os dias, podemos obter medições, digamos, sobre a cidade de Nova York às 13h30. Mas isso é apenas um ponto de dados sobre Nova York durante um dia, e muita coisa está acontecendo na cidade de Nova York durante um dia. Temos duas horas do rush que não conseguimos capturar. E o melhor do TEMPO é que, pela primeira vez, poderemos fazer medições de hora em hora na América do Norte. Assim, poderemos ver o que está acontecendo ao longo de um dia inteiro, desde que o sol esteja alto.

Caroline Nowlan, física atmosférica do Centro de Astrofísica da Harvard & Smithsonian e membro da equipe científica do TEMPO, durante coletiva de imprensa da NASA na terça-feira, 14 de março

O TEMPO está programado para ser lançado ao espaço em um dos foguetes Falcon 9 da SpaceX no dia 7 de abril de 2023 e será montado no satélite de telecomunicações Intelsat 40e operado pela empresa americana Intelsat. Até agora, o TEMPO tem financiamento garantido por 20 meses, mas os cientistas esperam que o instrumento permaneça operacional durante toda a vida útil de 15 anos de sua espaçonave hospedeira.

Como o sensor da NASA funciona

nasa
O sensor de poluição do ar TEMPO será capaz de fazer medições constantes das concentrações de poluição do ar acima da América do Norte. Imagem: NASA/SAO

O TEMPO é um espectrômetro da NASA que escaneia a atmosfera da Terra acima dos EUA, da costa leste à costa oeste, e mede como os produtos químicos no ar absorvem a luz visível e ultravioleta. A partir dessas medições, os cientistas poderão deduzir quanto dióxido de nitrogênio, formaldeído e ozônio estão dispersos no ar.

O dióxido de nitrogênio é um subproduto da combustão. Portanto, quando estamos queimando gasolina ou óleo diesel para nos movimentar, ou usinas de geração elétrica queimando carvão ou gás natural, um subproduto dessa atividade é o dióxido de nitrogênio, que é prejudicial à saúde humana. É um poluente primário e no atmosfera, ele reage para produzir ozônio e formaldeído, os poluentes secundários que também são prejudiciais à saúde humana.

Barry Lefer, gerente do programa de composição troposférica da NASA, durante coletiva de imprensa da NASA na terça-feira, 14 de março

Apesar de estar a 36 mil quilômetros acima da Terra, o TEMPO será capaz de discernir as concentrações desses poluentes com a mesma resolução dos melhores sensores existentes em satélites em órbita baixa da Terra. Isso permitirá que os pesquisadores vejam como as concentrações de poluição do ar variam de bairro para bairro em um dia, quanto tempo os poluentes duram no ar e como se espalham pelos grandes centros urbanos.

O TEMPO foi desenvolvido em conjunto por pesquisadores da NASA e do Observatório Astrofísico Smithsonian em Cambridge, Massachusetts.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!