Ao que tudo indica, a proposta de compra da Microsoft para a Activision não alertou apenas os reguladores da União Europeia (UE), Reino Unido e EUA, mas também o supostamente maior prejudicado na fusão: os jogadores, principalmente de Call of Duty. Segundo a Reuters, a empresa de softwares acaba de vencer um dos seus processos antitruste, este protocolado por um grupo de consumidores. 

O que aconteceu? 

  • Um grupo de gamers entrou com um processo antitruste (lei que regula a concorrência e evita monopólios) contra a Microsoft após a companhia anunciar a compra da Activision Blizzard, detentora dos direitos de Call of Duty; 
  • O acordo entre as empresas enfrenta escrutínio devido autoridades acreditarem que a fusão pode prejudicar jogadores, além de consolidar ainda mais a forte posição da Microsoft no mercado; 
  • No caso do processo movido por consumidores, uma juíza federal em San Francisco determinou que a ação “carece de alegações” que apoiem que a aquisição prejudicaria a concorrência no mercado e, consequentemente, o consumidor final. 

Leia mais! 

“A alegação geral dos demandantes de que a fusão pode causar ‘preços mais altos, menos inovação, menos criatividade, menos escolha do consumidor, diminuição da produção e outros potenciais efeitos anticompetitivos’ é insuficiente”, escreveu a juíza distrital Jacqueline Corley. A decisão não afeta os outros processos. 

publicidade
Imagem: shutterstock

A lei antitruste dos EUA também permite que consumidores particulares desafiem fusões e aquisições independentemente das ações do governo. Apesar da decisão da juíza, ela deu mais 20 dias para o grupo refinar e ajustar suas alegações. Uma nova audiência foi marcada para 12 de abril. 

À Reuters, o advogado do grupo de gamers disse que eles planejam apresentar um processo “com detalhes factuais adicionais”, ajustando todos os apontamentos que a magistrada fez. 

Microsoft e Activision 

Em uma tentativa de convencer reguladores da UE, Reino Unido e EUA de que não infringirá a lei antitruste com a aquisição da Activision, a Microsoft tem ofertado licenças do Call od Duty a vários rivais. A Nintendo, Nvidia e Boosteroid já aceitaram a condição, que garante a disponibilidade do CoD por 10 anos. 

A Sony, dona do Playstation, no entanto, é a mais resistente quanto a fusão. Ela também recebeu a proposta de licenciamento, mas ainda não chegou a um acordo com a Microsoft (do Xbox). 

Veja mais detalhes sobre a negociação aqui

Com informações da Reuters

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!