A União Europeia (UE) decidiu que todos os carros produzidos a partir de 2035 devem ser livres de emissões de gás carbônico (CO2). Mas, em uma campanha de última hora, a Alemanha e outros países pediram uma revisão do texto original para permitir a fabricação de veículos a combustão, desde que façam uso de combustíveis sintéticos.

Para quem tem pressa:

  • A UE estabeleceu meta de 100% de redução nas emissões de CO2 em carros produzidos a partir de 2035;
  • A Alemanha pediu uma revisão para permitir a fabricação de carros a combustão que usem combustíveis sintéticos;
  • O Parlamento Europeu acatou a sugestão alemã e estabeleceu uma meta intermediária de redução de 55% nas emissões líquidas de gases de efeito estufa até 2030;
  • A regulamentação proíbe a compra de novos carros de passageiros e vans movidos a combustíveis fósseis em todo o mercado único a partir da data estabelecida.

Leia mais:

O Parlamento Europeu acatou a sugestão alemã e a nova lei também estabelece uma meta intermediária de reduzir as emissões líquidas de gases de efeito estufa em pelo menos 55% até 2030.

A regulamentação impõe uma redução de 100% nas emissões de CO2 até a data limite (2035), proibindo efetivamente a compra de novos carros de passageiros e vans movidos a combustíveis fósseis, como diesel e gasolina, em todo o mercado único.

publicidade

O acordo foi oficializado durante uma reunião de ministros de energia e transporte em Bruxelas na manhã de terça-feira, onde a regulamentação recebeu a aprovação final.

Os combustíveis sintéticos, também chamados de “e-fuels”, são semelhantes aos biocombustíveis, mas usam apenas água e dióxido de carbono extraído da atmosfera. A Alemanha argumentou que esses combustíveis poderiam ajudar a reduzir as emissões de CO2 dos veículos a combustão, enquanto os fabricantes de carros elétricos afirmam que os combustíveis sintéticos não têm um papel importante no futuro dos carros de passeio.

O chefe da European Green Deal, Frans Timmermans, escreveu no Twitter que a UE chegou a um acordo com a Alemanha sobre o uso futuro de e-fuels nos automóveis.

Chegamos a um acordo com a Alemanha sobre a futura utilização de e-fuels nos automóveis. Vamos trabalhar agora para conseguir com que as normas de CO2 para regulamentação de carros sejam adotadas o mais rápido possível.

Frans Timmermans, chefe da European Green Deal, no Twitter

A Comissão pretende transformar a isenção de combustíveis sintéticos em um ato delegado, que terá que ser aprovado pelos eurodeputados. Se os legisladores rejeitarem o ato, o executivo irá propor uma revisão completa da legislação, um movimento arriscado que pode abrir a porta para novas solicitações.

A isenção obrigará os fabricantes a desenvolver um dispositivo que distinga os combustíveis sintéticos dos combustíveis fósseis existentes quando os motoristas abastecerem seus tanques.

A Porsche é a fabricante que mais investe em combustível sintético. Em dezembro do ano passado, a companhia inaugurou uma planta no Chile para produção de e-fuel, com previsão de 130 mil litros por ano. A expectativa é de que 55 milhões de litros sejam produzidos por ano até meados desta década. Inicialmente, o combustível será usado em projetos como o Porsche Mobil 1 Supercup e nos Porsche Experience Centers.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!