O Ministério de Segurança Pública da China e uma grande empresa chinesa de segurança cibernética parecem estar envolvidos numa campanha destinada a lançar os EUA como potência cibernética irresponsável. É o que aponta um relatório divulgado na quarta-feira (26) pelo Aspi (Instituto Australiano de Política Estratégica).

As considerações finais do relatório, embora não sejam conclusivas, estão alinhadas a um corpo crescente de evidências sobre como entidades do governo chinês exploram plataformas de mídia social ocidentais para promover narrativas pró-China.

Leia mais:

Influência da China

Bandeira da China em dia ensolarado
Pesquisadores ainda lutam para conectar campanhas às entidades governamentais da China – e relatório de entidade australiana ajuda nisso (Imagem: Reuters)

Esforços para detectar operações de desinformação chinesas aumentaram nos últimos anos. Mas pesquisadores ainda lutam para conectar essas campanhas às entidades governamentais, que mantêm diretrizes e operações relacionadas sob sigilo.

publicidade

Ao encontrar uma trilha que liga o aparato de segurança chinês aos esforços para difamar os EUA, relatório mostrou escopo e ambição expandidos das operações de influência chinesa.

As operações de influência secreta do PCC (Partido Comunista Chinês) nas mídias sociais tornaram-se mais frequentes, sofisticadas e eficazes em atingir democracias, interrompendo políticas externas e processos de tomada de decisão.

Albert Zhang, principal autor do relatório, “Opinião pública do jogo: as operações de influência cibernética cada vez mais sofisticadas do Partido Comunista Chinês”

“As redes de contas de mídia social que já foram vinculadas ao governo chinês muitas vezes escondem sua afiliação estatal e se apresentam como ocidentais”, disse ele. “Nos últimos anos, eles se expandiram para atingir públicos fora da China e apoiar os interesses estratégicos do PCC”.

Rastro nas redes sociais

Linhas de código de programação
Pesquisadores encontraram rastros nas redes sociais que coincidem com críticas da China a atividades cibernética dos EUA (Imagem: Unsplash)

Os pesquisadores da Aspi encontraram, em 2022, mais de quatro mil postagens em redes sociais como Twitter, Reddit e Facebook, alegando que CIA e Agência de Segurança Nacional dos EUA vigiavam China e outros países. Postagens coincidiram com declarações do Ministério das Relações Exteriores da China criticando atividades cibernéticas dos EUA.

Algumas das contas que postaram conteúdo semelhante em plataformas chinesas traziam links para departamentos locais de segurança pública, escritórios de aplicação da lei responsáveis ​​pelo policiamento e segurança pública.

Muitas das contas ampliaram a análise de empresas chinesas de segurança cibernética e, em alguns casos, usaram logotipos dessas empresas em gráficos postados. Eles usam hashtags em inglês e chinês, como #EspionageEmpire (“Império da Espionagem”, em tradução livre) ou #USthreatenscybersecurity (“EUA ameaçam cibersegurança”).

Desde 2019, Twitter e Meta vêm derrubando redes de contas de “spamouflage” (mistura das palavras “spam” e “camuflagem”) que eles vincularam ao governo chinês. Exércitos de contas falsas ou sequestradas postaram conteúdo ecoando posição de Pequim sobre questões como movimento de protesto de Hong Kong, alegações de abusos de direitos em Xinjiang ou origens do coronavírus.

Implicações e significados

Membro da Polícia Armada do Povo de guarda do lado de fora do Grande Salão do Povo em Pequim, na China
Membro da Polícia Armada do Povo de guarda do lado de fora do Grande Salão do Povo em Pequim, na China (Imagem: Getty Images)

Usando links, hashtags e imagens compartilhadas em conjuntos de dados do Twitter e Meta lançados anteriormente, pesquisadores da Aspi encontraram contas adicionais de “spamouflage” que ainda estavam ativas online. A maior parte de suas postagens foi publicada durante a semana, entre 8h e 18h. Horário de Pequim, com aparente intervalo para almoço entre 12h e 18h.

Zhang disse que esta campanha representava uma “nova iteração da rede” focada na ciberespionagem dos EUA – e possivelmente projetada para ajudar as empresas chinesas com seus planos de expansão internacional.

Essas alegações parecem fazer parte de uma campanha de propaganda mais ampla do PCC para apoiar a expansão dos serviços chineses de segurança cibernética no exterior e combater acusações semelhantes de ciberespionagem chinesa.

Albert Zhang, principal autor do relatório, “Opinião pública do jogo: as operações de influência cibernética cada vez mais sofisticadas do Partido Comunista Chinês”

Pesquisadores há muito lutam para atribuir definitivamente atividades secretas de influência chinesa ao governo. Acredita-se que tal atividade seja realizada por meio de combinação de entidades estatais e partidárias, segurança e empresas privadas chinesas.

‘Contar história da China’

Presidente da China, Xi Jinping, presta juramento após ser reeleito
Presidente da China, Xi Jinping, durante juramento após ser reeleito para terceiro mandato (Imagem: AFP)

Ainda menos se sabe sobre o papel do poderoso Ministério de Segurança Pública da China na campanha mais ampla do governo para “contar bem a história da China”, um decreto do líder chinês Xi Jinping.

Como a reputação da China sofreu com a pandemia e foi ainda mais prejudicada por sua amizade contínua com a Rússia durante a guerra na Ucrânia e o agravamento dos laços com os países ocidentais, divulgar essas mensagens tornou-se ainda mais crucial.

No 20º Congresso do Partido, em outubro de 2022, Xi novamente pediu o fortalecimento da voz da China no exterior para que seja “compatível com nossa força nacional e status internacional”.

Pesquisadores da Aspi disseram que departamentos de segurança pública podem ter respondido a uma campanha nacional para responder às críticas coordenadas dos EUA, União Europeia, Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e outros em 2021 de que hackers chineses ligados ao Ministério da Segurança do Estado foram responsáveis ​​por um ataque a um software de servidor de e-mail da Microsoft.

Com informações de The Washington Post

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!