Atenção, esse texto contém spoilers de Guardiões da Galáxia Vol. 3! 

A PETA (Pessoas pelo Tratamento Ético de Animais, na sigla em inglês) entregou a James Gunn o prêmio Not a Number pela “defesa inabalável” aos animais apresentada em Guardiões da Galáxia Vol. 3.

Em comunicado, a organização, uma das mais reconhecidas no ativismo animal, disse que a sequência da Marvel mereceu o reconhecimento por lembrar os espectadores de que “todos os animais merecem uma vida de liberdade ao ar livre, em vez de confinamento em gaiolas de laboratório”. 

O filme:

  • Guardiões da Galáxia Vol. 3 foca na história de Rocket (Bradley Cooper), um guaxinim que ganhou habilidades após enfrentar experiências dolorosas em um laboratório; 
  • A história do animal nunca havia sido apresentada em detalhes e o filme destacou não apenas o seu sofrimento, mas o de outros animais que também passam por experimentos; 
  • O filme acompanha a vingança de Rocket contra o Alto Evolucionário (Chukwudi Iwuji), responsável pela sua trajetória de dor e traumas, além de dar um final feliz para outros animais que aguardam, em gaiolas, um destino de mutilações e morte. 

Leia mais! 

publicidade

A PETA acrescentou que Gunn conseguiu acertar a essência e características do campo de experimentos em animais. Ao se referir a Rocket como um número, por exemplo, ele refletiu “uma prática que os experimentadores usam para se dissociar do ser senciente que estão afligindo”.

O dispositivo anexado ao personagem para contê-lo, também é parecido com aqueles usados para controlar primatas em laboratórios, disse a organização. 

Através de Rocket, James Gunn [diretor e roteirista do filme] colocou um rosto, nome e personalidade nos milhões de animais vulneráveis que estão passando por experimentos similares neste exato momento. A PETA está comemorando este como o melhor filme de direitos dos animais do ano por ajudar o público a ver os animais como indivíduos e sugerir que só porque podemos fazer experiências com eles não significa que devemos. 

Lisa Lange, vice-presidente sênior da PETA. 
guardiões da galáxia
Imagem: Marvel Studios/Divulgação

A PETA informou ainda que “embora os Institutos Nacionais de Saúde gastem quase US$ 20 bilhões por ano em financiamento de testes em animais, estudos mostraram que 95% de todos os novos medicamentos seguros e eficazes em animais falham em testes clínicos em humanos porque são perigosos”. 

Como os amigos de Rocket, Lylla, Teefs e Floor, a maioria dos animais usados em laboratórios são mortos depois de suportar uma vida inteira de sofrimento. Eles são mantidos em gaiolas apertadas, muitas vezes sozinhos e mutilados, infectados com doenças, propositalmente criados para sofrer de condições debilitantes, forçados a suportar vários procedimentos dolorosos, trancados em dispositivos de contenção, bombardeados com estímulos por períodos prolongados e frequentemente sem alimentação adequada. 

Guardiões da Galáxia Vol. 3 chegou aos cinemas no dia 4 de maio e já arrecadou impressionantes US$282 milhões em todo o mundo, incluindo um surpreendente valor de US$168 milhões nas bilheterias internacionais. Os números superaram as projeções da Marvel, que esperava arrecadar algo em torno de US$130 milhões e US$140 milhões. 

A sequência, a última com o atual elenco, segue em cartaz nos cinemas. 

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!