As opções de tratamento médico com inteligência artificial estão aumentando e têm o potencial de melhorar a precisão do diagnóstico. Mas novo estudo liderado por pesquisadores da Universidade do Arizona em Ciências da Saúde descobriu que cerca de 52% dos participantes escolheriam um médico humano em vez da IA para diagnóstico e tratamento.

O artigo, “Diversas atitudes de pacientes em relação à inteligência artificial (IA) no diagnóstico”, foi publicado em 19 de maio na revista PLOS Digital Health.

Leia mais:

A pesquisa foi liderada pelo Dr. Marvin J. Slepian, professor regente de medicina no UArizona College of Medicine–Tucson e membro do BIO5 Institute, e Christopher Robertson, professor de direito e reitor associado para iniciativas estratégicas na Boston University School of Law.

publicidade

A equipe de pesquisa descobriu que a maioria dos pacientes não está convencida de que os diagnósticos fornecidos pela IA sejam tão confiáveis quanto os fornecidos por profissionais médicos humanos.

“Embora muitos pacientes pareçam resistentes ao uso de IA, a precisão das informações, cutucadas e experiência de escuta do paciente podem ajudar a aumentar a aceitação”, disse Slepian sobre a outra descoberta principal do estudo: que um toque humano pode ajudar as práticas clínicas a usar a IA a seu favor e ganhar a confiança dos pacientes.

“Para garantir que os benefícios da IA sejam obtidos na prática clínica, são necessárias pesquisas futuras sobre os melhores métodos de incorporação do médico e tomada de decisão do paciente.”

No estudo, os participantes foram colocados em cenários como pacientes fictícios e perguntados se prefeririam um sistema de IA ou um médico físico para diagnóstico e tratamento e em quais circunstâncias.

Na primeira fase, os pesquisadores conduziram entrevistas estruturadas com pacientes reais, testando suas reações às tecnologias de IA atuais e futuras.

Na segunda fase do estudo, os pesquisadores entrevistaram 2.472 participantes em diversos grupos étnicos, raciais e socioeconômicos usando pesquisa randomizada e cega que testou oito variáveis.

No geral, os participantes foram divididos quase igualmente, com mais de 52% escolhendo médicos humanos como preferência, contra aproximadamente 47% escolhendo um método de diagnóstico de IA.

Se os participantes do estudo fossem informados de que seus médicos de cuidados primários achavam que a IA era superior e útil como complemento ao diagnóstico ou, de outra forma, estimulados a considerar a IA como boa, a aceitação da IA pelos participantes do estudo ao ser questionada novamente aumentava. Isso sinalizou a importância do médico humano na orientação da decisão do paciente.

A gravidade da doença – leucemia versus apneia do sono – não afetou a confiança dos participantes na IA.

Em comparação com os participantes brancos, os participantes negros selecionaram IA com menos frequência e os nativos americanos a selecionaram com mais frequência.

Os participantes mais velhos eram menos propensos a escolher a IA, assim como aqueles que se identificavam como politicamente conservadores ou consideravam a religião importante.

As disparidades raciais, étnicas e sociais identificadas sugerem que diferentes grupos merecerão sensibilidade e atenção específicas para informá-los sobre o valor e a utilidade da IA para melhorar os diagnósticos.

Realmente sinto que este estudo tem importância para alcance nacional. Ele guiará muitos estudos futuros e decisões translacionais clínicas até agora. O ônus recairá sobre os médicos e outros profissionais de saúde para garantir que as informações que residem nos sistemas de IA são precisas e para continuar a manter e aprimorar a precisão dos sistemas de IA, pois eles desempenharão papel cada vez maior no futuro dos cuidados de saúde.

Dr. Marvin J. Slepian, professor regente de medicina no UArizona College of Medicine–Tucson e membro do BIO5 Institute

Com informações de Medical Xpress e Universidade do Arizona

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!