A Toyota comunicou nesta quarta-feira (31) que informações sobre clientes em alguns países da Oceania e da Ásia, excluindo o Japão, podem ter sido disponibilizadas de outubro de 2016 a maio de 2023. O incidente foi descoberto após resultados de uma investigação anterior sobre os 2,15 milhões de dados de veículos expostos no Japão. 

O que aconteceu? 

  • No dia 12 de maio, a Toyota emitiu um comunicado dizendo que devido a um “erro humano” os dados de 2,15 milhões de veículos de clientes do Japão estavam sendo expostos desde 2013. O vazamento foi observado apenas em abril deste ano;
  • A descoberta faz parte de uma ampla investigação iniciada no serviço de nuvem da empresa. Através dela que o atual vazamento também foi observado, além de ter resultado em novas medidas de segurança e protocolos aos funcionários;
  • O novo vazamento envolve dados de clientes e não apenas de veículos, como no anterior; 
  • Segundo a empresa, foram expostos nomes, endereços, números de telefone, endereços de e-mail, números de identificação e registro de veículos. 

Leia mais! 

Como acreditamos que este incidente também foi causado pela divulgação insuficiente e cumprimento das regras de tratamento de dados, implementamos um sistema para monitorar as configurações de nuvem. 

Toyota em comunicado. 

O problema inicial surgiu devido a um erro de configuração no ambiente de nuvem, onde a montadora armazenava dados de clientes coletados para gerenciar inspeções de manutenção de veículos. 

publicidade

Assim como no caso anterior, a Toyota está investigando a questão com base nas leis e regulamentos de cada país, disse um porta-voz da empresa.  

A montadora não informou quantos clientes foram afetados pelo incidente, em quais países exatamente eles estão localizados e se os dados de clientes de sua luxuosa marca Lexus estão inclusos. Ela disse também que não encontrou evidências de uso dos dados por terceiros, pontuando que a localização do veículo e as informações do cartão de crédito não foram incluídas no incidente. 

Com informações da Reuters

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!