O Telescópio Espacial Hubble fez uma imagem espetacular de uma galáxia distante conhecida como Messier 85, ou M85, combinando observações infravermelho, ultravioleta e em luz visível feitas pela sua Wide Field Camera 3 . Descoberta em 1871, pelo astrônomo Pierre Méchain, colega de Charles Messier, a galáxia intriga os cientistas devido a algumas de suas propriedades.

A Messier 85 possui cerca de 400 bilhões de estrelas e está localizada a cerca de 50 milhões de anos-luz da Terra, na constelação de Coma Berenices, próxima à constelação de Virgem, e parece estar interagindo com outras duas galáxias vizinhas. A NGC 4394, uma espiral, e a MCG 3-32-38, uma pequena elíptica, que não estão visíveis na imagem.

Ao centro está localiza a galáxia Messier 85, fora do quadro da imagem, a NGC 4394 fica no canto superior esquerdo e a MCG 3-32-38 na parte inferior central. (Credito: ESA/Hubble & NASA, R. O’Connell)

Leia mais:

Bizarrices da galáxia

Quanto ao seu tipo, a M85 não é bem definida, estando em algum lugar entre uma galáxia lenticular e elíptica, ambos os tipos geralmente já consumiram quase todo seu material interestelar, fazendo com que ela seja formada em grande maioria por estrelas velhas.

publicidade

Isso acontece na M85, no entanto, sua região central abriga uma população de estrelas relativamente jovens, com apenas alguns bilhões de anos. Acredita-se que elas se formaram a partir de uma explosão estelar tardia, causada provavelmente pela fusão da Messier 85 com outra galáxia a cerca de 4 bilhões de anos atrás.

Mas, além disso, existe outra coisa estranha na galáxia fotografada pelo Hubble. Os pesquisadores acreditam que a maioria das galáxias possui um buraco negro supermassivo central, mas de acordo com medições de velocidade de estrelas, na Messier 85, isso não parece acontecer.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!