Cientistas dos Estados Unidos e do Reino Unido anunciaram que o primeiro embrião sintético humano foi criado em laboratório por meio de células-tronco, sem a necessidade de óvulos ou espermatozoides. O embrião ainda não tem estruturas básicas do corpo humano e próximos estágios do estudo mostrarão o possível desenvolvimento.

A conquista foi revelada na reunião anual da Sociedade Internacional para Pesquisa de Células-Tronco (ISSCR), nesta semana, nos Estados Unidos.

Leia mais:

Como funcionou

  • O estudo completo ainda não foi publicado, mas a professora da Universidade de Cambridge e do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) Magdalena Żernicka-Goetz, que descreveu o feito no evento, explicou como foi feito.
  • Segundo ela, os embriões são os primeiros estágios de desenvolvimento do ser humano.
  • O cultivo dos embriões a partir das células-tronco embrionárias (material que se transforma em qualquer célula adulta) aconteceu pouco depois do desenvolvimento, cerca de 14 dias.
  • Nessa fase, os embriões ainda não têm algumas estruturas básicas, como o intestino, coração pulsando ou o começo do cérebro.
  • Assim, para replicar esse embrião inicial, o estudo imitou as células primordiais depois do óvulo e do espermatozoide.

Deu certo?

Como o embrião (e a pesquisa) estão em estágios iniciais de desenvolvimento, não é possível saber se o feito continuará amadurecendo. Se der certo, ele pode criar órgãos, por exemplo.

publicidade
Ainda não se sabe até qual estágio o embrião pode chegar (Crédito: iStock)

Objetivo e importância

Porém, para além de ter dado certo ou não, o objetivo do estudo é identificar os mecanismos genéticos nesses primeiros estágios embrionários.

Não há perspectiva de usar os embriões sintéticos na prática clínica, mas eles são importantes para fornecer novas informações sobre distúrbios e condições genéticas e as causas para abortos espontâneos.

Eles são modelos de embriões, mas são muito emocionantes porque são muito parecidos com embriões humanos e um caminho muito importante para descobrir por que tantas gestações falham, já que a maioria das gestações falha na época do desenvolvimento em que construímos essas estruturas.

Magdalena Żernicka-Goetz, à CNN
Questões éticas e morais também estão envolvidas no estudo (Foto: Reprodução)

Ética

  • Por ser um campo de estudo relativamente novo, o estudo traz à tona questões éticas.
  • As diretrizes da ISSCR denotam que “a pesquisa científica em e com embriões humanos e linhagens de células-tronco embrionárias em cultura é vista como eticamente permissível em muitos países quando realizada sob rigorosa supervisão científica e ética”.
  • Porém, não se sabe até que ponto esses embriões podem chegar e, se eles de fato forem adiante e formarem um ser vivo, se as atuais regras serão mantidas.
  • Segundo o chefe de biologia de células-tronco e genética de desenvolvimento no Instituto Francis Crick, em entrevista ao The Guardian, se a intenção é que os embriões sejam tratados como embriões normais, então eles devem se tratados como tal.
  • A questão é justamente que os pesquisadores não sabem qual o potencial de desenvolvimento dessa célula e as regras podem mudar ao longo do caminho.

Potencial

  • Em 2022, a equipe de Żernicka-Goetz já havia se destacado por fazer um trabalho semelhante ao de agora.
  • Eles desenvolveram um embrião sintético de camundongo, que chegou na etapa de ter cérebro, coração pulsante e o início de todos os outros órgãos.
  • Esse foi o feito mais avançado até então.

Com informações de O Globo

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!