Airbus, uma das principais empresas fabricantes de aeronaves do mundo, está realizando testes com uma nova tecnologia que promete tornar os voos mais sustentáveis. A ideia é projetar asas mais longas, leves e com pontas dobráveis.

Leia mais

publicidade

A ministra da Indústria do Reino Unido, Nusrat Ghani, inaugurou nesta terça-feira (04) uma fábrica no sudoeste da Inglaterra que vai ajudar no desenvolvimento da tecnologia das novas asas.

Custos altos são o principal desafio

  • Fontes ligadas ao setor da aviação estimam que a Airbus está gastando “altas centenas de milhões” de dólares no programa Wing of Tomorrow.
  • Segundo a Airbus, as pesquisas podem beneficiar qualquer projeto de aeronave, mas todos os olhos estão voltados para o sucessor do A320, previsto para ser lançado entre 2035 e 2040.
  • “É nosso programa preparar tecnologias de que precisaremos para a próxima geração de aeronaves Airbus, seja ela qual for”, afirmou Sue Partridge, chefe do programa Wing of Tomorrow da empresa.
  • O principal desafio é diminuir os custos de produção, um objetivo alinhado a ideia de tornar os voos mais sustentáveis.
  • A Airbus garante que já está em negociações com pelo menos três fornecedores para ter acesso a peças mais baratas e mais eficientes. Mas não dá um prazo para a escolha da nova tecnologia.
  • “Precisamos desenvolver tecnologias compostas para tirar peso da asa, mas elas precisam estar no custo certo e na capacidade de produção certa”, destacou Partridge.
  • Atualmente, tanto o A320 quanto o 737 da concorrente Boeing são feitos de alumínio, mas os projetistas acreditam que as futuras asas sejam produzidas com compostos mais “verdes” e baratos.
  • “A física nos diz que, para obter uma asa mais eficiente em termos de combustível, ela precisa ser mais longa e mais esbelta. Isso significa que precisamos aumentar a extensão da asa”, disse Partridge.
  • A escolha do design das asas e dos métodos de produção são considerados primordiais na disputa entre empresas pelo futuro da aviação.

Airbus quer se tornar uma empresa de carbono zero até 2050

  • Além do design das novas asas, a empresa está investindo pesado em outras formas de reduzir o impacto ambiental provocado pelas aeronaves.
  • Um exemplo é o projeto batizado de Cabin Vision 2035+, que pretende tornar os aviões mais leves, tecnológicos e sustentáveis.
  • Um dos diferenciais dessa proposta é a promessa de que as aeronaves terão um teto transparente e janelas maiores.
  • Saiba mais aqui.

Com informações da Reuters.

publicidade

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!