Um estudo do governo dos Estados Unidos aponta que a água potável de quase metade das torneiras do país provavelmente contém produtos químicos que podem causar câncer e outros problemas de saúde. As informações foram divulgadas nesta quarta-feira (05).

Leia mais

Costa leste apresenta situação mais preocupante

  • O relatório do Serviço Geológico dos EUA contabilizou amostras de torneiras em 716 locais, incluindo 447 que dependem de suprimentos públicos e 269 usando poços privados.
  • Elas foram coletadas entre 2016 e 2021 em vários locais, principalmente residências, mas também algumas escolas e escritórios.
  • Além disso, incluem terras protegidas, como parques nacionais; áreas residenciais e rurais sem fontes de PFAS identificadas; e centros urbanos com indústrias ou locais de resíduos conhecidos por gerar PFAS.
  • Os cientistas testaram 32 compostos PFAS, a maioria detectáveis por meio dos métodos disponíveis.
  • Os tipos mais encontrados foram PFBS, PFHxS e PFOA, além do PFOS, um dos mais comuns em todo o país.
  • As exposições mais preocupantes foram em cidades e fontes potenciais próximas dos compostos, particularmente no litoral leste; centros urbanos dos Grandes Lagos e Grandes Planícies; e Califórnia Central e do Sul.
  • Com base nos dados, os pesquisadores estimaram que pelo menos uma forma de PFAS poderia ser encontrada em cerca de 45% das amostras de água da torneira em todo o país.
  • O estudo ressalta que os usuários de poços privados devem ter sua água testada para PFAS e considerar a instalação de filtros contendo carvão ativado ou membranas de osmose reversa, que podem remover os compostos.

Produtos químicos podem causar câncer

  • Estudos realizados em laboratórios com animais encontraram potenciais ligações entre produtos químicos PFAS e alguns tipos de câncer, além de problemas como pressão alta e baixo peso ao nascer.
  • Os pesquisadores descreveram o estudo como o primeiro esforço nacional para testar PFAS em água da torneira de fontes privadas, além das regulamentadas.
  • A pesquisa se baseia em descobertas científicas anteriores de que os produtos químicos são generalizados, aparecendo em produtos de consumo como panelas antiaderentes, embalagens de alimentos e chegando até ao abastecimento de água.
  • O Serviço Geológico dos EUA é uma agência de pesquisa científica, e por isso o relatório não faz recomendações políticas.
  • Mas de acordo com a principal autora da pesquisa Kelly Smalling, essas informações “podem ser usadas para avaliar o risco de exposição e informar decisões sobre se você quer ou não tratar sua água potável, testá-la ou obter mais informações de seu estado”.

Situação já é tema de debate no país

  • A Agência de Proteção Ambiental dos EUA propôs em março os primeiros limites para seis formas de PFAS, ou substâncias que permanecem no corpo humano por anos e não se degradam no meio ambiente.
  • Uma decisão final sobre o tema é esperada até 2024.
  • Apesar das crescentes discussões a Casa Branca não proibiu as empresas que usam os produtos químicos de despejá-los em sistemas públicos de esgoto.
  • “Deveríamos tratar esse problema onde ele começa, em vez de colocar um semáforo após o acidente. Deveríamos exigir que os poluidores tratassem seus próprios resíduos”, disse Scott Faber, vice-presidente sênior do Grupo de Trabalho Ambiental.

Com informações de PHYS.ORG.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!