Criados para substituir os humanos em muitas atividades, os robôs já ocuparam diversos espaços no mercado. Muitos entraram na indústria para aumentarem a produtividade e, por consequência, os lucros das empresas.

Dessa forma, não é à toa que países como China, Japão, Estados Unidos, Coreia do Sul e Alemanha invistam cada vez mais em tecnologia na área da robótica. Mas o que podemos considerar um robô, de fato? O que ele pode fazer? Confira agora neste artigo!

Leia mais:

O que são robôs?

Quando o pai da robótica, Joseph F. Engelberger, criou o primeiro robô na década de 1950, ele não fazia ideia de que essa espécie de máquina dominaria o mundo. Segundo dados da pesquisa “2021 World Robot Report”, da Federação Internacional de Robótica, já existem mais de três milhões de robôs operando em fábricas e pelo menos US$ 13,2 bilhões foram gastos nos últimos anos em novas instalações utilizando esse tipo de tecnologia.

publicidade

De forma básica, a definição para robô consiste em uma máquina articulada multifuncional, que pode ser controlada por um dispositivo humano ou lógico e reprogramável. Os robôs industriais, mais presentes no mercado atualmente, são constituídos por uma estrutura semelhante entre si, com quatro partes essenciais, possuindo sempre braço mecânico manipulável e controlável.

Entre as leis que tratam da robótica, uma estabelece que um robô não pode ferir um ser humano ou, por inação, permitir que um ser humano sofra algum mal. E a outra considera que um robô deve obedecer às ordens que lhe sejam dadas por seres humanos, exceto nos casos em que tais ordens entrem em conflito com a primeira lei.

Existem três tipos de gerações de robôs: A primeira é a Robô Pick-and-Place, a segunda é a Robô Play-Back e a terceira á a Robô Inteligente. No geral, um robô possui 7 componentes:

  • Controlador (cérebro do robô)
  • Esqueleto
  • Atuadores
  • Sensores
  • Manipulador
  • Sistema de controle

O que um robô pode fazer?

Como são dispositivos ou grupo de dispositivos eletromecânicos capazes de realizar trabalhos de maneira autônoma ou pré-programada, os robôs são normalmente utilizados na realização de tarefas em locais mal iluminados, ou em operações sujas e até perigosas para nós humanos.

Quais são as 5 categorias de robôs?

Existem 4 conceitos de robôs: modulares, de enxames, autônomos e humanoides. Cada grupo com características e particularidades diferentes. No entanto, podemos definir 5 categorias de robôs industriais mais conhecidos, confira:

Cartesiano

Também conhecido como robô retilíneo e robô de gantry, o tipo cartesiano é um robô que possui configuração retangular, em três juntas prismáticas que promovem um movimento linear deslizando os três eixos perpendiculares.

SCARA

SCARA significa Conjunto de Conformidade Seletiva Robot Arm e são robôs especializados em movimentos laterais, usados para montagem tendo em vista a sua velocidade e integração facilitada comparada aos robôs cilíndricos e cartesianos.

Cilíndrico

Com operação e instalação simples, a montagem de um robô Cilíndrico é praticamente mínima. Além disso, possui grande alcance no espaço de trabalho, pouca exigência de chão de fábrica e boa capacidade de carga. Dessa forma, são boas ferramentas para operações de montagem e manuseio com garras robóticas.

Delta

Os robôs do tipo Delta são aqueles que possuem ligações paralelas de junções conectadas a uma base comum, que lhes dá aparência de uma aranha. Esse modelo também é capaz de fazer operação complexa com a necessidade de um controlador de robô dedicado.

Polar

Um robô Polar tem sempre uma junta de torção entre o braço e a base, além de uma combinação de duas juntas rotativas e uma junta linear conectando os links.

Verticalmente Articulado

São os mais utilizados nas indústrias. Possuem um desenho similar à de um braço humano. Além disso, é composto por eixos que se dobram em diversas direções, aumentando seu alcance e as possibilidades de aplicação.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!