Conforme noticiado pelo Olhar Digital, um vulcão entrou em erupção no dia 10 de julho na Islândia, a mais ou menos 30 km da capital Reykjavik, em uma montanha chamada Litli-Hrutur, bem próximo de onde ocorreram as duas erupções mais recentes da península Reykjanes, em 2021 e 2022.

Durante vários dias, três grandes fissuras expeliram lava derretida e uma coluna de gases, após milhares de pequenos terremotos serem registrados na área, o maior dos quais foi de magnitude 4,8, de acordo com o Met Office islandês

Primeiro, as fissuras se estendiam por mais de um quilômetro, abrindo três linhas de lava incandescente. Duas delas já estavam fechadas na manhã seguinte, mas a lava ainda emanava de um cone alongado, que logo se transformou em uma grande cratera conforme a lava se acumulava, criando “o mais novo bebê vulcão do mundo”, segundo alguns descrevem.

Litli-Hrutur, que significa “pequeno carneiro”, faz parte da área vulcânica Fagradalsfjall, que entrou em erupção em março de 2021 e agosto de 2022, após um longo período em silêncio de quase 800 anos.

publicidade

De acordo com uma reportagem da BBC News, Laura Wainman, estudante de doutorado na Escola de Terra e Meio Ambiente da Universidade de Leeds, na Inglaterra, pegou um avião para a Islândia poucos minutos após o início da erupção.

Como parte de sua pesquisa sobre a dispersão de oligoelementos reativos ao meio ambiente em plumas vulcânicas, ela coleta amostras para entender a composição e distribuição de tamanho das partículas emitidas pelo vulcão e como elas são transportadas na atmosfera.

Leia mais:

Quando a erupção do vulcão Litli-Hrutur vai parar?

A pesquisadora explicou que a erupção do vulcão Litli-Hrutur e a criação da nova cratera vulcânica bebê não foi uma surpresa, principalmente em razão dos mais de 12 mil terremotos ocorridos na área circundante durante seis dias, com o magma já muito próximo da superfície.

Em apenas uma semana, a cratera cresceu cerca de 30 metros de altura, segundo Wainman, e à medida que a lava fluía, aumentando o cone existente, ela aumentava um pouco mais a cada dia.

Ela disse que não há como prever quanto tempo vai durar a erupção (que pode ser acompanhada, ao vivo, neste link) – a de 2021 durou seis meses, enquanto a de 2022 foi mais curta, se prolongando por três semanas.

“Em algum momento, começaremos a ver uma diminuição na atividade e então poderemos ver algo como a erupção em 2021, na qual houve períodos intermitentes de atividade antes que a erupção finalmente parasse”, acrescentou.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!