Um estudo divulgado na revista The Lancet Regional Health – Americas alerta para os riscos envolvendo bactérias resistentes. No total, 569 mil mortes foram associadas à resistência antimicrobiana bacteriana (RAM) em todos os 35 países da região das Américas da Organização Mundial da Saúde (OMS). Os dados levam em conta apenas o ano de 2019.

Leia mais

Os resultados

  • O estudo aponta que as mortes foram provocadas por infecções resistentes a medicamentos.
  • As quatro síndromes infecciosas relacionadas à RAM que causaram mais óbitos na região foram: infecções respiratórias bacterianas (293 mil mortes); infecções da corrente sanguínea (266 mil mortes); infecções intra-abdominais (181 mil mortes) e infecções do trato urinário (80 mil mortes).
  • Elas foram responsáveis por 89% dos óbitos devido à infecção bacteriana, destaca a Medical Xpress.
  • Os seis patógenos mais letais foram Staphylococcus aureus, Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae, Streptococcus pneumoniae, Pseudomonas aeruginosa e Acinetobacter baumannii.

Mortalidade entre países

  • Os cinco países com as maiores taxas de mortalidade associadas à RAM foram Haiti, Bolívia, Guatemala, Guiana e Honduras.
  • Os países com as menores taxas de mortalidade foram Canadá, EUA, Colômbia, Cuba, Panamá, Costa Rica, Chile, Venezuela, Uruguai e Jamaica.
  • As estimativas mostraram altas taxas de óbito entre recém-nascidos, seguidas de taxas próximas de zero em menores de 5 anos.
  • A mortalidade subiu lentamente até cerca dos 65 anos, quando as taxas aumentaram drasticamente.
  • As maiores taxas de mortalidade entre recém-nascidos foram em Dominica, República Dominicana, Guiana, Haiti, Jamaica, Suriname e Venezuela.
  • Antígua e Barbuda, Argentina, Canadá, Chile e Costa Rica apresentaram as menores taxas de mortalidade por RAM entre recém-nascidos.

Faltam ações de combate contra resistência antimicrobiana bacteriana

  • O estudo ainda indica que os nove países com as taxas de mortalidade mais elevadas não dispunham de um plano de ação nacional contra a resistência antimicrobiana bacteriana .
  • “As bactérias desenvolveram resistência contra os medicamentos que inventamos para matá-las, e esses patógenos estão matando pessoas em taxas mais altas do que HIV/AIDS ou malária”, disse o coautor e pesquisador Lucien Swetschinski, do Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde (IHME).
  • Ele destaca que “se formuladores de políticas, clínicos, cientistas e até mesmo o público em geral não implementarem novas medidas agora, esta crise de saúde global se agravará e poderá se tornar incontrolável”.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!