As preocupações acerca do uso da IA se intensificam à medida que as eleições presidenciais se aproximam em diversos países do mundo. O potencial da tecnologia de, por exemplo, recriar imagens e vozes de políticos (as famosas deepfakes) para deturpar campanhas eleitorais já está sendo explorado. Porém, nem todos pretendem deixar a inteligência artificial se tornar uma terra sem lei.

Os Estados Unidos, que terão sua eleições presidencial em 2024, são um deles: segundo reportado pelo site The Verge, a Comissão Eleitoral Federal do país avançou no debate sobre a regulação do uso do conteúdo gerado por IA nos anúncios políticos e abrirá uma consulta pública sobre o assunto.

Leia mais:

O que aconteceu

  • Em uma reunião aberta nesta quinta-feira (10), a Comissão Eleitoral Federal (FEC, na sigla original), uma agência regulatória independente que tem como objetivo garantir o cumprimento das leis eleitorais e de financiamento de campanha no país, concordou em avançar no debate acerca da IA.
  • A FEC votou a favor de abrir uma petição para receber comentários públicos acerca de uma possível regulação no uso de conteúdo gerado artificialmente em anúncios políticos.
  • A petição foi proposta pelo grupo Public Citizen, uma ONG a favor do interesse do consumidor nos EUA. A organização pede que a Comissão use sua autoridade para punir fraudes no processo eleitoral, criando regras que proíbem candidatos e partidos de usar IA contra seus oponentes.
  • Ao final do processo, a petição pode resultar em novas regras para reger as campanhas eleitorais no país antes do final deste ano.
Inteligência Artificial
FEC já reconheceu potencial negativo da IA nas futuras eleições (Imagem: SomYuZu / Shutterstock)

Expectativas no debate sobre IA

Lisa Gilbert, vice-presidente executiva da Public Citizen, emitiu um comunicado na quinta-feira endossando a decisão da FEC em abrir a petição.

publicidade

A decisão da FEC de prosseguir com um período de comentários públicos é um sinal encorajador de que a ameaça que a IA representa para nossa democracia pode finalmente ser levada a sério.

Lisa Gilbert

Entre a oposição, o comissário republicano Allen Dickerson havia votado contra a petição quando ela foi apresentada pela primeira vez há alguns meses. No entanto, dessa vez, Dickerson votou a favor de abrir o debate para o público, apesar de questionar se a FEC realmente teria autoridade para implementar as possíveis novas regras.

Chip de inteligência artificial
Até a Casa Branca se preocupa com o futuro da tecnologia no país e no mundo (Foto: iStock)

Regulação da IA e eleição

  • O ocorrido na FEC vem depois de especialistas do setor de IA se manifestarem acerca das preocupações com a tecnologia, principalmente durante a próxima eleição. Ainda, de maneiras diferentes, muitos pressionam pela regulação.
  • Sam Altman, CEO da OpenAI (desenvolvedora do ChatGPT) é um deles. Em maio, o executivo testemunhou no Senado dos EUA afirmando que os legisladores deveriam aprovar regras para regular o setor.
  • Em outra ocasião, em sua turnê com a OpenAI, Altman admitiu que a IA pode ser motivo de preocupação na eleição presidencial, mas que quer uma regulação que não limite muito o desenvolvimento.
  • Recentemente, a Casa Branca também demonstrou preocupações com a tecnologia. O governo se reuniu com as principais empresas do setor (OpenAI inclusa) para alinhar questões de segurança e regulação da IA.
  • Entre as medidas, companhias se comprometeram em rotular conteúdo gerado por IA.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!