A primeira missão lunar russa em décadas terminou em fracasso. A sonda russa Luna-25, programada para pousar neste domingo, 21 de agosto, em um pedaço do polo sul da lua acabou colidindo com a superfície.

A missão faria estudos por aproximadamente um ano em solo lunar e seria marcante para a Rússia.

O que aconteceu

  • A espaçonave Luna-25 acabou colidindo com a superfície da Lua. O incidente aconteceu após uma interrupção na comunicação com a sonda lunar.
  • Segundo as informações da agência espacial russa, Roscosmos, “medidas tomadas em 19 e 20 de agosto para procurar o dispositivo e entrar em contato com ele não deram resultado”.
  • De acordo com cálculos preliminares, o Luna-25 “mudou para uma órbita fora do projeto” antes da colisão.
  • Uma comissão de especialistas investigará os motivos da perda do Luna-25, acrescentou a agência.

Leia mais:

A notícia chega um dia após a espaçonave relatar uma “situação de emergência” enquanto tentava entrar em uma órbita pré-pouso que “não permitiu que a manobra fosse realizada com os parâmetros especificados”, disse a Roscosmos em um post do Telegram no sábado (19).

publicidade
Primeira foto detalhada da superfície lunar tirada pela espaçonave russa Luna-25; a imagem, divulgada pela agência espacial nacional Roscosmos em 17 de agosto de 2023 foi tirada da órbita e mostra uma paisagem no lado oculto da lua, perto do polo sul. Imagem: Reprodução/Roscosmos via Telegram

A última sonda lunar do país a voar até a lua foi a Luna-24 em 1976, quando ainda fazia parte da União Soviética. Essa sonda pousou perto do Mar das Crises (Mare Crisium) e transportou uma amostra de volta à Terra. Já último pouso humano na lua pela NASA foi em 1972, alguns anos antes.

Missão Luna-25

  • O Luna-25 foi lançado em 10 de agosto e enviou suas primeiras fotos no espaço em 13 de agosto, incluindo “selfies” com a lua e a Terra ao fundo. 
  • A missão alcançou rapidamente a órbita lunar em 16 de agosto.
  • A zona de pouso principal da espaçonave é a Cratera Boguslawsky. Também há dois pontos de pouso de backup disponíveis: um a sudoeste da cratera Manzini e outro ao sul da cratera Pentland A.
  • Além de caçar gelo de água, os principais objetivos científicos do Luna 25 eram examinar o regolito e as rochas ao seu redor, observar a fina atmosfera lunar e testar a tecnologia para futuros pousos na lua.
Imagens da Terra (à esquerda) e da lua (à direita) tiradas pela espaçonave russa Luna-25 durante seu voo em 13 de agosto de 2023, a uma distância de cerca de 310 mil km da Terra. Imagem: Reprodução/IKI RAS

A empresa aeroespacial russa NPO Lavochkin foi quem projetou e construiu o módulo que se divide em duas partes, possui plataforma de pouso com sistema de propulsão e trem de pouso, medidor de velocidade e de alcance para permitir um pouso mais seguro. 

Também estava na missão um contêiner de instrumentos que inclui itens como painéis solares, radiadores, antenas, câmeras de televisão, fonte de energia e equipamentos científicos.

O Luna-25 não está sozinho em alcançar o polo sul da lua. A sonda Chandrayaan 3, da Índia, pousará na mesma área muito em breve, em 23 ou 24 de agosto. A NASA também tem o polo sul como parte fundamental de seu programa Artemis, que colocará astronautas e sondas na lua na próxima década. As informações são do Space.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!