Legisladores do Congresso dos Estados Unidos enviaram uma carta ao CEO da Meta, Mark Zuckerberg, dizendo que as ações da empresa estariam colocando a segurança pública em risco. Isso porque, atualmente, a big tech permite que usuários do Facebook anunciem e vendam itens no Marketplace que passaram por um recall (foram “chamados de volta” pelas fabricantes por conterem alguma peça danificada que possa torná-lo perigoso), incluindo objetos que arriscam a segurança de bebês.

De acordo com o jornal The Wall Street Journal, a carta foi enviada após milhares de solicitações pedindo a retirada dos produtos como itens permitidos na plataforma, mas Meta não fez nada para resolver o problema.

Leia mais:

Risco de segurança

A carta afirmava que os itens poderiam representar um “sério risco de ferimentos e morte potencial”.

publicidade

A falha da Meta em evitar que produtos recolhidos sejam colocados à venda em sua plataforma resultou em seus usuários e seus filhos sendo colocados em risco de comprar e usar um produto que a Comissão de Segurança de Produtos de Consumo (CPSC) descobriu representar um sério risco de ferimentos e morte potencial.

Carta enviada à Meta

Os produtos à venda no Facebook Marketplace mencionados pela carta do Congresso foram as poltronas Rock ‘n Play da Fisher-Price e as espreguiçadeiras para bebês recém-nascidos da Boppy Company.

Segundo dados da CPCS, o uso das duas causou mais de 100 mortes de crianças e bebês nos EUA.

Poltronas da Fisher-Price, um dos produtos que passaram por recall (Foto: COMISSÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS DE CONSUMO/Reprodução)

A quem cabe a remoção dos itens?

A CPSC já tinha indicado às empresas que fizessem o recall desses produtos e, em junho deste ano, pediu publicamente para as pessoas pararem de anunciar e comprar produtos danificados ou que apresentam risco em páginas de compra e venda online.

No entanto, segundo Alex Hoehn-Saric, presidente da CPSC, não cabe aos consumidores pararem de anunciar ou comprar esses produtos.

De acordo com ele, os marketplaces como os do Facebook têm inúmeros recursos e devem se responsabilizar e não permitir que eles sejam anunciados em primeiro lugar.

Espreguiçadeiras da Boppy Company, outro produto que passou por recall (Foto: COMISSÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS DE CONSUMO/Reprodução)

Facebook Marketplace

  • O problema não é tão simples assim.
  • Mercados online, como o do Facebook, não têm uma regulação governamental e, por isso, fica a cargo da empresa definir suas políticas.
  • A Meta respondeu ao jornal que leva o problema a sério e que, quando identifica esses itens perigosos no catálogo do Marketplace, os retira.
  • No entanto, os usuários ainda conseguem achar formas de driblar essas regras e anunciar esses produtos.
  • Segundo a deputada Jan Schakowsky, uma das autoras da carta, os Estados Unidos não têm proteções suficientes para esses marketplaces e que outras 16 plataformas, como o TikTok, também receberam cartas semelhantes.
  • Essas outras empresas também não responderam ou tomaram medidas, e o Congresso pediu que os esforços para tirar os produtos aconteçam até o final do mês.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!