A descoberta de um fóssil de macaco de 8,7 milhões de anos, na Turquia, está provocando um grande debate sobre a origem humana. Um estudo publicado recentemente na Communications Biology aponta que, na verdade, o homem teria surgido na Europa e depois migrado para a África, e não o contrário, como aceito atualmente.

Leia mais

A conclusão dos pesquisadores se baseia no estudo do fóssil Anadoluvius turkae. Segundo eles, os restos do antigo macaco indicam que o animal fazia parte dos primeiros hominídeos, grupo composto por macacos africanos (chimpanzés, bonobos e gorilas), humanos e seus ancestrais.

“Nossas descobertas sugerem ainda que os hominídeos não apenas evoluíram na Europa ocidental e central, mas passaram mais de cinco milhões de anos evoluindo lá e se espalhando para o Mediterrâneo oriental antes de eventualmente se dispersarem na África, provavelmente como consequência da mudança de ambientes e diminuição das florestas”.

David Begun, professor da Universidade de Toronto, no Canadá

Ancestral dos humanos

  • O Anadoluvius é considerado um ancestral dos humanos e viveu há quase 9 milhões de anos.
  • Ele era do tamanho de um grande chimpanzé macho, pesando entre 50 e 60 kg e vivia em um ambiente de floresta seca.
  • O crânio descoberto em 2015 está bem preservado, segundo informações do SciTechDaily.
  • “A completude do fóssil nos permitiu fazer uma análise mais ampla e detalhada usando muitos caracteres e atributos que são codificados em um programa projetado para calcular relações evolutivas. O rosto fica praticamente completo, após a aplicação de imagens espelhadas. A nova parte é a testa, com osso preservado até cerca da coroa do crânio. Os fósseis descritos anteriormente não têm tanto do caso cerebral”, explicou Begun.

Homem teria evoluído na Europa

  • As descobertas colocam o Anadoluvius turkae como ancestral de chimpanzés, bonobos, gorilas e humanos.
  • E indicam que eles vieram da Europa e do Mediterrâneo oriental para a África.
  • O estudo também revela que os macacos dos Balcãs e da Anatólia evoluíram de ancestrais na Europa ocidental e central.
  • A pesquisa fornece evidências de que é mais provável que todo o grupo tenha evoluído na Europa, em vez do cenário alternativo em que ramos separados de macacos anteriormente se moveram independentemente da África para a Europa ao longo de vários milhões de anos.
  • “Não há evidências desta última, embora continue sendo uma proposta favorita entre aqueles que não aceitam uma hipótese de origem europeia. Essas descobertas contrastam com a visão de longa data de que os macacos africanos e os humanos evoluíram exclusivamente na África. Embora os restos dos primeiros hominídeos sejam abundantes na Europa e na Anatólia, eles estavam completamente ausentes da África até que o primeiro hominídeo apareceu lá cerca de sete milhões de anos atrás”, observa Begun.
  • A hipótese dos pesquisadores é que os antepassados dos macacos africanos e dos humanos podem ter migrado para a África apenas entre 7 a 9 milhões de anos.
  • “Esta nova evidência apoia a hipótese de que os hominídeos se originaram na Europa e se dispersaram na África junto com muitos outros mamíferos entre nove e sete milhões de anos atrás, embora não provem definitivamente. Para isso, precisamos encontrar mais fósseis da Europa e da África entre oito e sete milhões de anos para estabelecer uma conexão definitiva entre os dois grupos”, conclui o professor.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!