Os sintomas clínicos para identificar machucados que estão infeccionando nem sempre são claros e, muitas vezes, o diagnóstico depende de outros fatores, como a experiência do médico. Se não for tratada de forma precoce, as feridas infectadas podem se espalhar pelo corpo, gerando problemas mais graves.

Pensando nisso, uma equipe de cientistas e médicos desenvolveu dispositivo que permite imagens avançadas de uma ferida para identificar possível infecção. O Swift Ray 1 funciona a partir de aplicativo que pode ser conectado a um dispositivo móvel, como smartphones e tablets, conforme o Medical Xpress.

Leia mais:

“O tratamento de feridas é uma das ameaças mais caras e negligenciadas aos pacientes e ao nosso sistema de saúde em geral”, disse Robert Fraser, da Western University e da Swift Medical, autor do estudo publicado na revista Frontiers in Medicine. “Os médicos precisam de melhores ferramentas e dados para melhor atender seus pacientes que sofrem desnecessariamente.”

publicidade

Swift Ray 1

O dispositivo funciona com o software Swift Skin and Wound. Pelo app, é possível capturar imagens de termografia infravermelha (que medem o calor corporal) e imagens de fluorescência bacteriana (que revelam bactérias usando luz violeta).

A pesquisa demonstrou que a imagem bacteriana ajuda a orientar o trabalho dos médicos para remover tecidos inviáveis, mas não consegue identificar a infecção por si só […] A termografia fornece informações sobre as alterações inflamatórias e circulatórias que ocorrem sob a pele.

 Dr. Jose Ramirez-Garcia Luna, do Centro de Saúde da Universidade McGill, primeiro autor do estudo

Mas as imagens não são suficientes para o diagnóstico e requerem método adicional para diferenciar contaminações de feridas infectadas. Durante os testes, a equipe recrutou 66 pacientes com feridas sem sinais de propagação da infecção. Os machucados foram descobertos e higienizados antes das imagens.

Resultados

Durante a análise das imagens feitas pelo dispositivo, a equipe descobriu quatro padrões de feridas, sendo:

  • As lesões onde a ferida não era mais quente que a pele saudável – e não havia fluorescência bacteriana – foram consideradas “não inflamadas”;
  • Já as feridas mais quentes que a pele saudável que tinham pouca fluorescência bacteriana foram consideradas “inflamadas”;
  • Os machucados mais quentes – com ou sem fluorescência bacteriana – foram considerados como “infectados”.

“Este foi um estudo piloto e estudos de acompanhamento estão planejados”, afirma Fraser. “No futuro, será necessário validar populações de pacientes com mais tipos de feridas”.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!