O telescópio caçador de planetas, Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS), da NASA, acabou de detectar uma das órbitas mais longas já vistas fora do Sistema Solar. A descoberta vai na contramão de outros exoplanetas que possuem trajetórias curtas em torno de sua estrela.

A pesquisa foi feita por cientistas da Universidade do Novo México e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e foi publicada na revista The Astrophysical Journal Letters. O planeta foi chamado de TOI-4600c e está localizado a cerca de 815 anos-luz da Terra, tendo aproximadamente o tamanho de Saturno e um período orbital de 482,82 dias ou 16 meses terrestres. Essa é a órbita mais longa já observada pelo TESS, e com suas temperaturas próximas a -78 graus Celsius é também o mais frio.

As tecnologias atuais não permitem que planetas muito longe de suas estrelas sejam facilmente encontrados, tendo poucos planetas com tempo de órbita maior que o TOI-4600c. Alguns deles são o Kepler 412b, que orbita sua estrela a cada 2 anos terrestres e o mais extremo, o GU Psc b, com uma trajetória que dura 80 mil anos terrestres.

Leia mais:

publicidade

Um segundo planeta descoberto pelo TESS

Além do TOI-4600c, um segundo planeta também foi encontrado, o TOI-4600b. Com tamanho aproximado ao de Netuno, ele é classificado como um Júpiter quente devido a sua temperatura aproximada de 76 graus Celsius. Diferente do seu vizinho, sua órbita é curta e dura menos de 3 meses.

É relativamente raro vermos dois planetas gigantes em um sistema. Estamos habituados a ver Júpiteres quentes que estão perto das suas estrelas e normalmente não encontramos companheiros para eles, muito menos companheiros gigantes. Este sistema tem uma configuração mais única.

Katharine Hesse, autora do estudo, em comunicado

Para encontrar novos exoplanetas, o TESS fica apontado para uma região do céu durante 30 dias procurando por quedas de luminosidade nas estrelas. Por causa do curto período de observação, a maioria dos mundos descoberto por ele completam sua órbita em menos de quarenta dias. Para o sistema estelar TOI 4600, os pesquisadores, no entanto, acumularam dados de múltiplas observações.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!