Um estudo realizado por pesquisadores do Centro de Ecologia e Hidrologia do Reino Unido (UKCEH) e pelas Universidades de Reading, Surrey, Birmingham e Southern Queensland aponta que a poluição reduz drasticamente a polinização das flores. Segundo a pesquisa, o ar poluído degrada o aroma das flores, afetando a capacidade das abelhas de encontrá-las.

Leia mais

publicidade

O que diz a pesquisa

  • Segundo o estudo, publicado na revista Environmental Pollution, o ozônio altera substancialmente o tamanho e o aroma das plumas de odor floral.
  • Ele reduziu a capacidade das abelhas de reconhecer odores em até 90% a poucos metros de distância, segundo informações da Phys.org.
  • O ozônio ao nível do solo, que agrava as condições respiratórias, normalmente se forma quando as emissões de óxido de nitrogênio de veículos e processos industriais reagem com compostos orgânicos voláteis (COV) emitidos pela vegetação na presença da luz solar.

Impactos da poluição na vida animal e nas flores

A nova pesquisa sugere que o ozônio provavelmente está tendo um impacto negativo na abundância de flores silvestres e na produtividade das culturas. Vários estudos internacionais já estabeleceram que a substância tem um impacto negativo na produção de alimentos, pois prejudica o crescimento das plantas.

“Cerca de 75% das nossas culturas alimentares e quase 90% das plantas com flores silvestres dependem, em alguma medida, da polinização animal, particularmente por insetos. Portanto, entender o que afeta negativamente a polinização, e como, é essencial para nos ajudar a preservar os serviços críticos que respondemos para a produção de alimentos, têxteis, biocombustíveis e medicamentos, por exemplo”.

Ben Langford, cientista atmosférico do UKCEH e líder do estudo

De acordo com os pesquisadores, o resultado do estudo fornece evidências mecanicistas claras de como a poluição por ozônio, cujas concentrações são tipicamente mais altas em áreas rurais, pode reduzir a visitação de polinizadores às flores.

publicidade
Ozônio reduziu a capacidade das abelhas de reconhecer odores em até 90% a poucos metros de distância (Imagem: vivatchai/Shutterstock)

Ozônio pode afetar o comportamento de alguns animais

Durante a pesquisa, foi utilizado um túnel de vento para monitorar como o tamanho e a forma das plumas de odor mudavam na presença de ozônio. Além de diminuir o tamanho da pluma de odor, os cientistas descobriram que o cheiro da pluma mudava à medida que certos compostos reagiam mais rápido do que outros.

As abelhas, que foram treinadas para reconhecer a mesma mistura de odores, foram então expostas aos novos odores modificados pelo ozônio. Os insetos polinizadores usam odores florais para encontrar flores e aprender a associar sua mistura única de compostos químicos com a quantidade de néctar que fornece, permitindo-lhes localizar a mesma espécie no futuro.

publicidade

A pesquisa mostrou que, em direção ao centro das plumas, 52% das abelhas reconheceram um odor a seis metros, diminuindo para 38% a 12 metros. Na borda das plumas, que se degradaram mais rapidamente, 32% das abelhas reconheceram uma flor a 6 metros de distância e apenas um décimo dos insetos a 12 metros de distância.

Os pesquisadores dizem que suas descobertas indicam que o ozônio também pode afetar o comportamento controlado por outros odores dos insetos, como sua capacidade de atrair e encontrar um parceiro. No ano passado, a mesma equipe de pesquisa publicou o primeiro estudo para descobrir que poluentes comuns do ar, incluindo ozônio e gases de escape de diesel, tiveram um impacto negativo na polinização no ambiente natural.

publicidade

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!