No começo do mês o Ingenuity, da NASA, realizou seu 57° voo em Marte, totalizando agora mais de 100 minutos sobrevoando o planeta vermelho. O sucesso do helicóptero fez com que outros drones fossem planejados para apoiar a futura missão de recuperação de amostras marcianas. E agora, um novo estudo sugere que eles sejam equipados com magnetômetros, a fim de procurar por resquício de campos magnéticos.

A ideia de equipá-los com magnetômetros irá permitir estudar áreas que nem roveres e landers na superfície, nem orbitadores espaciais a centenas de quilômetros de altitude conseguem observar. Permitindo que mais informações sobre a evolução de Marte e dos campos magnéticos incrustados na sua crosta.

A era das pesquisas baseadas em helicópteros em Marte já começou. Argumentamos que os estudos baseados em magnetômetros podem fazer uso da tecnologia aérea para responder a algumas das questões-chave relativas à evolução inicial de Marte.

Trecho da pesquisa publicada recentemente no The Planetary Science Journal

Leia mais:

Campo magnético em Marte

Diferente da Terra, Marte não gera seu próprio campo magnético. Na maioria dos planetas do Sistema Solar, a magnetosfera é gerada a partir do movimento dos metais derretidos em seu núcleo. Acredita-se que há cerca de 3 a 4 bilhões de anos esse movimento parou no planeta vermelho.

publicidade

No entanto, isso não significa que Marte perdeu completamente seu magnetismo, bolsões de crosta magnetizada ainda perduram no planeta. No entanto, a força e a profundidade dessas manchas magnéticas não estão bem mapeadas.

Entender onde elas estão localizadas podem fornecer insights sobre a evolução do planeta e os helicópteros podem ajudar a localizá-las. Com voos a apenas algumas dezenas de quilômetros acima da superfície marciana, será possível que desfiladeiros, encostas íngremes, crateras e dunas, impossíveis de serem acessados por rovers e pequenos demais para serem vistas por orbitadores, possam ser investigadas atrás de resquícios do campo magnético marciano.

A ideia de equipar os helicópteros com magnetrômetros é apoiada por precedentes aqui na Terra. Anomalias magnéticas nos limites das placas tectônicas não conseguiram ser detectadas a partir de satélites na órbita terrestre, mas foram reveladas por aeronaves que sobrevoaram essas regiões.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!