Sabe aquelas miniaturas de carros? Sua carroceria externa é feita de uma peça só – ao contrário dos carros reais, que necessitam de uma diversidade de peças para serem construídos. Inspirados nesses carrinhos, a Tesla investiu numa tecnologia inovadora para tentar fabricar seus carros como os de brinquedo: com só uma grande peça.

A proposta já vem sendo testada e está dando resultados positivos. É o que aponta um relatório feito pela Reuters, que se baseou em análises de cinco especialistas da área. Conforme o documento, a Tesla conseguiu “uma série de inovações para fazer um avanço tecnológico” para “fundir quase toda a parte inferior complexa de um EV numa só peça”.

publicidade

As cinco pessoas disseram que uma única estrutura grande – combinando as seções dianteira e traseira com a parte inferior central onde a bateria está alojada – poderia ser usada no pequeno EV da Tesla, que pretende lançar o veículo com um preço de US$ 25.000 até meados da década.

Relatório da Reuters

Leia mais:

Nos últimos anos, a empresa investiu significativamente na tecnologia de fundição em grande escala, substituindo a produção de carrocerias em várias partes por uma única peça volumosa. Atualmente, a Tesla opera diversas das maiores máquinas de fundição do mundo, que são apelidadas de “Gigapress”.

publicidade

O CEO Elon Musk sempre se inspirou nos brinquedos da Hot Wheels e expressou o desejo de que os carros da Tesla eventualmente seguissem esse padrão. Até o momento, a Tesla conseguiu aplicar essa tecnologia na fabricação das carrocerias traseira e dianteira do Modelo Y e desenvolveu uma nova prensa de 9.000 toneladas para produzir peças do Cybertruck.

Entretanto, de acordo com o relatório, a Tesla ainda não chegou a uma decisão sobre a adoção dessa nova tecnologia em seu próximo lançamento, mas decisão pode ser tomada ainda neste mês.

publicidade

Algumas das inovações da nova máquina:

  • Uso de impressão 3D e areia industrial para criar moldes de fundição.
  • Redução de custos e tempo para ajustes nos moldes.
  • Impressoras conhecidas como jatos de ligante depositam um agente líquido em camadas de areia para construir os moldes.
  • Apesar de enfrentarem desafios com as ligas que precisavam atender a requisitos de desempenho e segurança, conseguiram criar novas fórmulas especiais.
  • Além disso, a empresa criou um tratamento térmico pós-produção e aperfeiçou o processo de resfriamento da liga fundida.

A Tesla ainda não finalizou seus planos para um Gigapress maior, uma peça essencial para a fabricação de carros com grandes monoblocos únicos.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!