Na Austrália, um cidadão chamado James Harrison doou sangue mais de mil vezes e ganhou um apelido curioso: o “homem do braço de ouro”. O termo veio pelo fato do seu sangue conter mais anticorpos usados na vacina Anti-D, que previne o desenvolvimento da doença de Rhesus (ou eritroblastose fetal) em gestantes. 

A enfermidade faz com que o sangue das mães “ataque” os fetos por incompatibilidade do fator Rh, gerando danos cerebrais e até a morte do bebê.

Leia mais:

Como tudo começou

  • Harrison começou a doar sangue aos 18 anos após passar por uma cirurgia e precisar de transfusões para sobreviver.
  • Alguns anos depois, foi descoberto que o seu sangue tinha mais anticorpos usados na vacina, o que o incentivou a continuar doando para auxiliar o máximo de pessoas.
  • Para ter uma ideia, nos 60 anos de doação, Harrison salvou sozinho mais de 2,4 milhões de bebês na Austrália, segundo estimativas do Australian Red Cross Lifeblood. Até a própria filha de Harrison recebeu a vacina.
  • Com o avanço da idade, sua última doação ocorreu em 2018, segundo o The Sydney Morning Herald.
O sangue de Harrison salvou milhões de bebês na Austrália. Imagem: Reprodução/Australian Red Cross Lifeblood

Sangue dourado: quando surgiu e o que é?

  • Segundo informações da página de biomedicina Mosaic, o tipo sanguíneo foi detectado primeiro em uma australiana em 1961 e recebeu o nome de “sangue dourado” por sua raridade. 
  • Cientificamente, é conhecido como Rh nulo (ou Rhesus null).
  • Ele aparece em cerca de uma a cada seis milhões de pessoas, segundo pesquisadores.
  • O lado ruim é que o “sangue dourado” só é compatível com transfusões de Rh nulo, o que pode gerar dificuldades para quem possui o tipo sanguíneo.
O que é a vacina Anti-D?

A vacina usa plasma de doadores para prevenir a doença de Rhesus em gestantes e a DHPN (Doença Hemolítica Perinatal), que pode causar complicações como anemia e a morte.