Nas planícies africanas, onde predadores como os leões reinam supremos, uma revelação está lançando uma nova luz sobre o fator medo no reino animal. Em um estudo realizado no Parque Nacional Greater Kruger, na África do Sul, pesquisadores descobriram que, apesar da imponente presença dos leões, há um predador que inspira ainda mais terror na fauna da savana africana: os seres humanos.

Este estudo revela como os animais da savana reagem com temor às vocalizações humanas, desafiando a crença de que a natureza se habitua à nossa presença.

Leia mais:

O que você precisa saber:

  • Mesmo em um ambiente onde leões são temidos predadores, os seres humanos despertam um nível ainda maior de medo entre os animais da região.
  • Pesquisadores conduziram experimentos no Parque Nacional Greater Kruger, utilizando gravações de vocalizações humanas e de leões para observar as reações dos animais.
  • A maioria dos mamíferos estudados abandonou os locais onde ouviram conversas humanas, indicando um medo profundo e persistente dos seres humanos.
  • A pesquisa, publicada na revista Current Biology, sugere que a presença humana causa impactos significativos na vida selvagem, incluindo o potencial declínio das populações de espécies vulneráveis.
  • Os cientistas discutem a utilização dessas descobertas para a conservação, incluindo a reprodução de conversas humanas em áreas com caça furtiva para proteger espécies em perigo, como os rinocerontes brancos do sul.

A pesquisa

Os leões são o maior grupo de predadores terrestres que caçam em grupo no planeta, e por isso deveriam ser os mais assustadores.

Michael Clinchy, biólogo de conservação da Universidade Western, no Canadá

Em mais de 10.000 gravações da vida selvagem na savana africana, 95% das espécies observadas responderam com muito mais terror ao som de uma fera completamente diferente. Este animal nem sequer é tecnicamente um predador de topo. Somos nós: os seres humanos.

publicidade

Em experiências, a ecologista da Universidade Western, Liana Zanette, e colegas reproduziram uma série de vocalizações e sons para animais em poços de água no Parque Nacional Greater Kruger, na África do Sul, e registraram a sua resposta.

O medo dos humanos é inato e ubíquo. Há essa ideia de que os animais vão se habituar aos humanos se não forem caçados. Mas mostramos que isso não é o caso.

Michael Clinchy, biólogo de conservação da Universidade Western, no Canadá

Esta área protegida é o lar da maior população restante de leões (Panthera leo) do mundo, por isso os outros mamíferos estão bem conscientes do perigo que esses carnívoros representam. Os pesquisadores transmitiram os sons de conversas humanas em línguas locais, incluindo Tsonga, Northern Sotho, inglês e africâner, bem como os sons da caça humana, incluindo sons de cães e tiros. Eles também reproduziram os sons de leões comunicando entre si.

“A coisa importante é que as vocalizações dos leões são deles rosnando e grunhindo, em ‘conversa’, por assim dizer, não rugindo uns para os outros”, explica Clinchy ao Science Alert. “Dessa forma, as vocalizações dos leões são diretamente comparáveis às dos humanos falando conversacionalmente.”

No entanto, nem todos os sujeitos experimentais apreciaram os esforços dos pesquisadores. “Uma noite, a gravação dos leões deixou este elefante tão zangado que ele investiu e simplesmente destruiu tudo”, lembra Zanette, referindo-se à instalação da câmera.

Resultados

Quase todas as 19 espécies de mamíferos observadas nos experimentos tinham duas vezes mais probabilidade de abandonar os poços de água ao ouvir seres humanos falando em comparação com leões ou mesmo sons de caça. Os mamíferos incluem rinocerontes, elefantes, girafas, leopardos, hienas, zebras e javalis, alguns dos quais também podem representar perigos por si próprios.

Como o animal mais letal do planeta, de longe, os seres humanos inspiraram mais medo. “Foi especificamente ouvir as vocalizações humanas que inspirou o maior medo”, escreve a equipe no seu artigo, “sugerindo que a vida selvagem reconhece os humanos como a verdadeira ameaça, enquanto perturbações relacionadas, como cães a ladrar, são apenas perturbações menores.”

Dado o quão ubíquos os humanos são agora, a fuga só será temporária, o que significa que esses mamíferos infelizmente continuarão a ter os seus medos desencadeados. Isso não é positivo para as já minguantes populações de muitas espécies da savana, incluindo as girafas. Como uma pesquisa anterior da equipe sugere, o medo contínuo por si só pode reduzir as populações de animais ao longo de gerações.

Mas os biólogos de conservação podem ser capazes de aproveitar esse conhecimento para ajudar essas espécies também. Ao reproduzir conversas humanas em áreas com caça furtiva conhecida na África do Sul, eles esperam manter os rinocerontes brancos do sul em perigo a salvo.

Acredito que a ubiquidade do medo em toda a comunidade de mamíferos da savana é um verdadeiro testemunho do impacto ambiental que os humanos têm. Não apenas através da perda de habitat, das mudanças climáticas e da extinção de espécies, que são coisas importantes. Mas apenas estarmos lá na paisagem já é um sinal de perigo suficiente para que eles respondam de forma muito intensa. Eles têm um medo mortal dos humanos, muito mais do que de qualquer outro predador.

Liana Zanette, ecologiata da Universidade Western