Um novo remédio antiviral desenvolvido pela farmacêutica japonesa Shionogi pode ser a nova aposta contra dois sintomas comuns da Covid-19: a perda de olfato e paladar. Chamado de Xocova, o medicamento pode reduzir a intensidade desses quadros ou mesmo preveni-los.

Para quem tem pressa:

  • Remédio antiviral, o Xocova é eficaz na redução da perda de olfato e paladar, dois sintomas comuns da Covid-19;
  • O medicamento japonês consegue reduzir a intensidade dos quadros ou mesmo preveni-los;
  • No entanto, o fármaco continua em análise pela FDA, mas se for aprovado, pode chegar ao Brasil em poucos meses;
  • Em um estudo com voluntários, após três dias de uso, o medicamento reduziu os sintomas e em sete dias houve resolução completa.

Até hoje, os principais tratamentos disponíveis para recuperar esses sentidos são as fisioterapias de cheiros, que podem ser um processo longo e frustrante para os pacientes.

O antiviral está atualmente sob análise da Food and Drug Administration (FDA), reguladora dos Estados Unidos equivalente à Anvisa no Brasil. Com sua aprovação, poderá chegar a outros mercados em poucos meses.

Leia mais:

publicidade

Testes clínicos

Os testes clínicos de Fase 3 já desenvolvidos com o Xocova mostraram que o medicamento é eficaz em reduzir a intensidade dos quadros.

Em um estudo com voluntários do Japão, Coreia do Sul e Vietnã, cerca de 20% dos pacientes apresentaram algum nível de perda de olfato e/ou de paladar, quando tinham formas leves ou moderadas da Covid-19.

Após três dias de uso, o medicamento reduziu sintomas, enquanto o placebo não. No sétimo dia, a perda dos sentidos foi 39% menor nos medicados.

Antiviral contra a Covid-19

Além disso, o medicamento alivia outros sintomas da doença. No estudo de pós-comercialização iniciado em julho, foi confirmada a diminuição do tempo médio de febre (menos de 2 dias) e a resolução completa dos sintomas (menos de 7 dias), independentemente da idade e comorbidades.

Os resultados parciais apoiam ainda mais a tolerabilidade e eficácia do ensitrelvir, independentemente dos fatores de risco, em ambientes reais no Japão.

Takeki Uehara, vice-presidente sênior de desenvolvimento de medicamentos da Shionogi, em nota.