A Amazon Web Services (AWS) anunciou nesta quarta-feira (25) que lançará uma nuvem soberana (Sovereing Cloud) na Europa para governos e clientes de setores altamente regulamentados. Segundo informações da Reuters, o serviço armazenará dados em servidores localizados na União Europeia, e apenas os funcionários da AWS residentes na UE terão controle das operações. 

O que você precisa saber: 

  • A nuvem soberana da AWS será lançada primeiro na Alemanha e disponibilizará o seu serviço a todos os clientes europeus; 
  • A opção é considerada mais segura quando comparada as nuvens públicas; 
  • Microsoft e Oracle também lançaram suas versões em nuvem para clientes governamentais europeus. 

Leia mais! 

De acordo com o Convergência Digital, as nuvens soberanas são arquitetadas e criadas para fornecer segurança e acesso a dados que atendam aos requisitos rigorosos dos setores regulamentados e às leis da jurisdição local sobre privacidade, acesso e controle de dados. 

publicidade

Embora atualmente tanto os clientes empresariais como os governamentais utilizem cada vez mais os centros de dados das grandes empresas sob a forma de nuvens públicas, uma pesquisa divulgada em abril pela Gartner, empresa de consultoria, apontou que a tendência iria mudar a partir de 2023.

Servidores da AWS. Crédito: Amazon/Divulgação

Segundo a análise, diante de incertezas globais, incluindo preocupações com a privacidade de dados, governos estão cada vez mais sob pressão para modernizar a infraestrutura e as aplicações de TI para garantir serviços governamentais mais resilientes. 

O estudo prevê que até 2025 mais de 75% dos governos irão operar mais da metade das cargas de trabalho usando provedores de serviços em Nuvem de hiperescala (data centers com pelo menos mais de cinco mil servidores). As principais empresas a disponibilizar o Sovereing Cloud serão AWS, Google e Azure, da Microsoft. 

Vale lembrar que a UE está na vanguarda não apenas da regulamentação da IA, como da legislação sobre privacidade e segurança. Inclusive, seu órgão de vigilância da privacidade lançou, no ano passado, uma investigação sobre a utilização de serviços baseados na nuvem pelo setor público para verificar se estes cumprem as suas regras de privacidade.