O Reino Unido quer adotar um papel de liderança nas discussões sobre a inteligência artificial. Nesta quinta-feira (26), o governo britânico anunciou a criação do primeiro instituto de segurança de IA do mundo. E o primeiro-ministro Rishi Sunak alertou para os riscos envolvendo a tecnologia.

Leia mais

Reino Unido quer papel de liderança nas discussões sobre IA

  • As declarações do premiê britânico ocorrem uma semana antes da primeira cúpula mundial sobre os riscos da IA, que tem justamente o Reino Unido como uma das lideranças. 
  • Rishi Sunak exaltou a capacidade de transformação da sociedade da inteligência artificial, comparando a tecnologia com a revolução industrial, a chegada da eletricidade e da internet.
  • Ele ainda destacou, no entanto, que a IA poderia facilitar a construção de armas químicas ou biológicas e que os criminosos poderiam explorar a tecnologia.
  • As informações são da CNBC.
Montagem de pessoa escrevendo sobre desenho de inteligência artificial (IA)
(Imagem: Shutterstock)

Estamos perdendo o controle da tecnologia?

Em um dos pontos do discurso, o premiê deu uma declaração mais forte envolvendo os riscos com a tecnologia.

Nos casos mais improváveis, mas extremos, há até o risco de que a humanidade possa perder completamente o controle da IA por meio do tipo de IA às vezes chamado de superinteligência.

Rishi Sunak, primeiro-ministro do Reino Unido

Nesta quarta-feira (25), as autoridades britânicas divulgaram um relatório chamado “Capacidades e riscos da IA de fronteira”, no qual alertam que os “modelos de IA de uso geral altamente capazes que podem executar uma ampla variedade de tarefas e igualar ou exceder as capacidades presentes nos modelos mais avançados de hoje”.

publicidade

Na Cúpula de Segurança de IA na próxima semana, Sunak disse que proporá a criação de um “painel de especialistas verdadeiramente global nomeado pelos países e organizações presentes para publicar um relatório científico sobre o estado da IA”. E destacou que a China foi convidada para a reunião.

Agora, sei que há quem diga que [a China] deveria ter sido excluída. Mas não pode haver uma estratégia séria para a IA sem pelo menos tentar envolver todas as principais potências de IA do mundo.

Rishi Sunak, primeiro-ministro do Reino Unido

A China e os Estados Unidos estão envolvidos em uma disputa pela hegemonia tecnológica mundial, inclusive com a aplicação de sanções por parte da Casa Branca para evitar o desenvolvimento chinês na área. Em meio ao cenário de tensão, o Reino Unido busca emergir como uma liderança nas discussões sobre o futuro da tecnologia.