A água consumida pela população brasileira está repleta de agrotóxicos. A conclusão faz parte de um levantamento que mostra que 210 municípios apresentaram uma mistura de 27 diferentes tipos de agrotóxicos na água. Já em 28 municípios, testes de qualidade indicaram substâncias em níveis acima do limite considerado seguro pelo Ministério da Saúde.

Leia mais

Mistura de agrotóxicos

Os dados foram compilados a partir do Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Sisagua), do Ministério da Saúde.

Os 210 municípios em que foi identificada a mistura de 27 tipos de agrotóxicos na água ficam em 13 estados. Entre eles estão São Paulo, Fortaleza e Campinas (SP).

publicidade

Os testes identificaram concentrações dentro do limite para cada agrotóxico isoladamente. No entanto, a legislação brasileira não leva em conta os riscos da interação entre os pesticidas.

Na cidade de São Paulo, por exemplo, cinco agrotóxicos foram encontrados na água da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). A combinação de 27 agrotóxicos foi identificada em condomínios e empresas da capital paulista que têm sistemas particulares de tratamento de água.

O Ministério da Saúde reconheceu que analisar os agrotóxicos na água de forma individualizada é insuficiente para mapear os riscos à população. Mas, segundo a pasta, há poucos estudos que analisam os efeitos desse tipo de mistura.

As secretarias de Saúde de São Paulo, Campinas e Fortaleza disseram que seguem os parâmetros fixados na norma do Ministério para cada agrotóxico. As informações são do UOL.

Substâncias acima do limite seguro

Já em 28 municípios brasileiros testes de qualidade encontraram, na água, agrotóxicos acima do limite considerado seguro pelo Ministério da Saúde.

Aruanã, em Goiás, foi um deles. A cidade está em uma região que se destaca pela produção de soja, feijão, milho e arroz. A Saneago, empresa de abastecimento que atende o município, alega que houve erro de digitação no preenchimento das informações.

No total, 55 testes identificaram concentrações de agrotóxicos acima do limite. Eles representam 0,02% dos 306.521 testes realizados e considerados consistentes pelo Ministério da Saúde.

O endrin e o aldrin, dois agrotóxicos proibidos no país, foram encontrados em concentrações acima do limite. A presença deles pode ser explicada pela entrada ilegal dessas substâncias no país e pela presença persistente delas no meio ambiente.

Riscos à saúde

  • As consequências dessa mistura de agrotóxicos para o organismo humano ainda não são conhecidas.
  • O consumo frequente de água com altas concentrações das substâncias aumenta os riscos para doenças crônicas, como câncer e distúrbios hormonais, e para problemas no sistema nervoso, nos rins e no fígado.
  • Os testes cujos resultados estão no Sisagua são feitos pelas próprias empresas de abastecimento de água.
  • Os municípios, os estados e o Ministério da Saúde são responsáveis por fiscalizar os resultados.