Na madrugada deste sábado (4), Saturno começa um processo pelo qual seu movimento para o oeste através do céu noturno é interrompido, e o astro retoma a trajetória habitual para leste, terminando seu “laço” retrógrado – assim chamado porque, durante o curso percorrido, o planeta parece formar um laço no céu. 

Composto de imagens espaçadas com cerca de 5 a 9 dias de diferença captadas em 2018, do fim de abril (inferior direito) até 5 de novembro (canto superior esquerdo), traça o movimento retrógrado de Marte, mostrando o “laço” que os planetas formam durante o movimento retrógrado. Imagem: NASA APOD/Tunc Tezel (TWAN)

Essa inversão de direção é um fenômeno que todos os planetas do Sistema Solar sofrem periodicamente. Segundo o site In-The-Sky.org, no caso daqueles cujas órbitas são mais externas que a da Terra (Marte, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno), isso se dá poucos meses depois de passarem pela oposição, que é quando eles estão do lado oposto do Sol em relação ao nosso planeta (que fica entre os dois corpos celestes).

Ainda de acordo com o guia de orientação do céu noturno, o reajuste de direção de Saturno, que começou seu movimento retrógrado em 17 de junho, terá início às 4h16 (pelo horário de Brasília).

Configuração do céu no exato instante em que Saturno retoma sua trajetória normal para leste, colocando fim no movimento retrógrado neste sábado (4). Crédito: SolarSystemScope

Movimento retrógrado é ilusório

O colunista do Olhar Digital Marcelo Zurita, presidente da Associação Paraibana de Astronomia (APA), membro da Sociedade Astronômica Brasileira (SAB) e diretor técnico da Rede Brasileira de Observação de Meteoros (BRAMON), explica que o movimento retrógrado dos planetas é apenas ilusório e é causado pelo curso da Terra em torno do Sol.

publicidade

À medida que ela circunda o astro, nossa perspectiva muda, e isso faz com que as posições aparentes dos objetos celestes se alterem de um lado para o outro no céu, o que se sobrepõe ao movimento de longo prazo do planeta em direção ao leste através das constelações.

Leia mais:

“Por estar em uma órbita mais interna e, consequentemente, mais rápida, a Terra ultrapassa Saturno a cada 12 meses e meio aproximadamente. E quando isso acontece, Saturno parece estar caminhando no sentido contrário no céu por alguns dias. Isso ocorre com todos os planetas com órbitas mais externas à Terra”, descreveu. Quanto mais longe do Sol, mais tempo o planeta passa em movimento retrógrado.

A animação abaixo ilustra isso, com a flecha mostrando a linha de visão da Terra para um planeta, e o diagrama à direita mostrando o aparentemente movimento do objeto através do céu pela nossa perspectiva de visão.

Animação ilustra o conceito de “ciclo retrógrado” dos planetas. Crédito: In-The-Sky.org