Mesmo com toda a ajuda enviada pelo Ocidente, a contraofensiva da Ucrânia tem enfrentado muitas dificuldades. Uma das principais delas é o uso de drones “suicidas” pela Rússia. Esses equipamentos têm sido utilizados para se chocar intencionalmente com blindados ucranianos a mais de 100 quilômetros por hora, retirando os veículos inimigos do campo de batalha.

Leia mais

Vídeo relacionado

EUA impõem sanções

  • Nos últimos meses, o drone russo Zala Lancet atingiu diversos blindados fornecidos pelo Ocidente e que deveriam romper as linhas de defesa russas.
  • O impacto na guerra tem sido tanto que o governo dos Estados Unidos anunciou, na última quinta-feira (02) sanções contra a fabricante dos drones, a Zala Aero.
  • Além disso, a Casa Branca sancionou o proprietário da empresa e o designer do veículo voador, Aleksandr Zakharov, bem como membros de sua família.
  • O Departamento de Estado disse que os EUA estavam mirando indivíduos e entidades associadas ao esforço de guerra da Rússia.
  • A Zala Aero não se pronunciou sobre as sanções até o momento.
  • As informações são do The Wall Street Journal.
Drone “suicida” russo (Imagem: Zala Aero)

Importância dos drones na guerra entre Rússia e Ucrânia

Os drones têm sido determinantes para a Rússia impedir um avanço significativo da Ucrânia no campo de batalha. Combinados com campos minados, artilharia e mísseis antitanque guiados, eles formaram um grande obstáculo aos ucranianos, que, na região de Zaporizhzhia, por exemplo, conseguiram avançar apenas alguns quilômetros desde junho.

A guerra no Leste europeu se transformou em um grande campo de testes para a implantação em larga escala de drones em conflitos. Enquanto os russos usam o Lancet, os ucranianos contam com o Switchblade, fornecido pelos EUA e que também explode quando atinge seus alvos.

publicidade

Em um primeiro momento, a Ucrânia parecia estar em vantagem no uso de drones. No entanto, Moscou melhorou suas capacidades a partir da implantação do Lancet e autoridades de inteligência militar britânicas, por exemplo, já chegaram a afirmar que a tecnologia representa uma “mudança de passo” na forma como a Rússia usa drones.

A Zala Aero disse à mídia russa, em julho, que havia aumentado o alcance do veículo de cerca de 40 quilômetros para cerca de 65 quilômetros. Além disso, informou que testou e estava pronto para produzir em massa um novo drone explosivo chamado Izdeliye-54, ou Italmas. Ele pode viajar cerca de 200 quilômetros e tem uma ogiva ampliada, afirmou a empresa.

publicidade

Veja o drone em ação:

Crédito: Zala Aero

Zala Lancet

Embora fabricado na Rússia, o drone Lancet contém uma série de componentes estrangeiros. Segundo um documento da inteligência ucraniana, 19 peças eletrônicas são americanas. Dessas, seis são produzidos pela Analog Devices, uma empresa de semicondutores com sede em Massachusetts.

publicidade

Uma porta-voz da empresa disse que não faz negócios com os russos e que orientou os seus distribuidores para interromper o comércio com Moscou. Ainda de acordo com a Analog, as peças podem ser fruto de revendas não autorizadas ou contrabando de produtos.

O drone Lancet tem câmeras que transmitem imagens para seu operador e é barato de se produzir. Outro diferencial é que a Ucrânia não tem um equivalente de fabricação nacional em produção em escala significativa.

A Rússia também tem drones de vigilância e opera uma frota de drones Shahed comprados do Irã, embora estes sejam normalmente usados para ataques de longa distância a alvos, incluindo infraestrutura.

O Lancet apareceu pela primeira vez em feiras comerciais em 2019 e foi usado na Síria por forças especiais russas para atingir comandantes rebeldes. Na Ucrânia, as autoridades dizem que o drone atingiu vários tanques fornecidos pelo Ocidente, incluindo os tanques Leopard de fabricação alemã e um Challenger 2 britânico.

Recentemente, o presidente Vladimir Putin visitou o local onde os drones são construídos e determinou o aumento da produção. A notícia é preocupante para o Ocidente já que a Ucrânia não possui uma arma para combater o drone russo. Vídeos do campo de batalha mostram que os soldados ucranianos tentam derrubar o Lancet com tiros.