A onda de calor extremo que atinge grande parte do Brasil afeta o consumo de energia nos lares do país. Como era esperado, o uso de ventiladores, ares-condicionados e outros eletrodomésticos explodiu e a demanda por energia elétrica ultrapassou o recorde histórico nesta segunda-feira (13), segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

Leia mais

publicidade

Demanda por energia explodiu

De acordo com o ONS, a demanda por energia superou o patamar de 100 GW (gigawatts) às 14h17 pela primeira vez na história. “A principal razão para este comportamento da carga é a significativa elevação de temperatura verificada em grande parte do Brasil”, disse o Operador Nacional do Sistema Elétrico nesta terça-feira (14).

O aumento na demanda foi registrado em todo o Sistema Interligado Nacional (SIN). A marca anterior era de 97,66 GW, observado também neste ano, no último dia 26 de setembro.

publicidade

O subsistema do Sudeste e Centro-Oeste também bateu recorde, atingindo 60 GW às 15h30 da segunda. O patamar anterior era de 57,8 GW, registrado em 26 de setembro de 2023. As informações são do G1.

Termômetro marcando 40 graus num dia marcado por muito calor na cidade de São Paulo
Calor extremo atinge grande parte do Brasil (Imagem: Rovena Rosa/São Paulo)

Onde de calor no Brasil

  • O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) ampliou, na segunda, o alerta de perigo de forte onda de calor para 13 estados e Distrito Federal.
  • Além de elevar o nível do alerta para algumas capitais, como São Paulo, que entrou em Grande Perigo, o órgão estendeu nesta terça o aviso até sexta-feira (17).
  • Conforme previsão do Inmet, a nova onda de calor extremo no Brasil deve durar de forma mais intensa até quarta-feira (15).
  • As cidades mais atingidas pelo calor extremo, intensificado pela ação do fenômeno climático El Niño, caracterizado pelo aquecimento anormal das águas do Oceano Pacífico na sua porção equatorial, são do Centro-Oeste e Sudeste.
  • No domingo, o Rio de Janeiro havia alcançado um recorde de sensação térmica, com 50,5 graus.
  • Na manhã da segunda-feira, no entanto, quebrou a própria marca, batendo 52,7 graus, conforme informou o Alerta Rio, sistema da prefeitura.
  • O RJ é, por ora, a capital com maior variação de temperatura em relação à média para o mês.