A Índia está elaborando novas regras para detectar e limitar a disseminação de deepfakes e mais conteúdos prejudiciais produzidos a partir de inteligência artificial. Como divulgou a Reuters, a informação foi divulgada pelo ministro de tecnologia da informação do país, Aswini Vaishnaw, após o primeiro-ministro Narendra Modi levantar preocupações sobre o tema.

Planejamos concluir a elaboração dos regulamentos nas próximas semanas”, disse Vaishnaw,

A decisão de criar uma regulamentação sobre conteúdo gerado por IA veio após reuniões realizadas com todas as grandes empresas de mídia social, Associação Nacional de Empresas de Software e Serviços (NASCOMM) e acadêmicos do tema, conforme reportou o TechCrunch.

Leia mais:

publicidade

As empresas compartilham nossas preocupações e entenderam que [deepfakes] não são liberdade de expressão. Eles entenderam que é algo muito prejudicial à sociedade. 

Eles compreenderam a necessidade de uma regulamentação muito mais rigorosa sobre este assunto, por isso concordamos que começaremos a redigir a regulamentação hoje mesmo.

Aswini Vaishnaw, ministro de tecnologia de informação da Índia.

Em reunião com a imprensa, o ministro de TI apresentou um vídeo falso em que um ministro indiano apela para a população votar em um partido da oposição.

Segundo Vaishnaw, a legislação focará em ações que permitirão aos usuários denunciarem vídeos indevidos de forma proativa.

Em seu discurso na cúpula virtual das nações do G20 na última quarta-feira, o primeiro-ministro pediu que líderes globais trabalhem em conjunto para regulamentar a IA e ressaltou sobre os impactos negativos dos deepfakes.

Como observou a Reuters, países de todo o mundo estão correndo para compor suas legislações regulatórias sobre a IA. A Organização das Nações Unidas, por exemplo, criou um órgão consultivo de 39 membros para abordar questões de governança internacional.