O governo da Coreia do Norte anunciou nesta semana que lançou com sucesso o seu primeiro satélite espião. No entanto, especialistas sugerem que o primeiro estágio do foguete norte-coreano explodiu durante o lançamento, o que poderia ter sido feito de propósito.

Leia mais

Uma câmera da Universidade Yonsei, na Coreia do Sul, geralmente usada para rastrear meteoros ou estrelas cadentes, teria registrado a explosão do primeiro estágio do foguete norte-coreano Chollima-1.

Desta vez, eles parecem ter detonado o propelente do primeiro estágio no ar. Esse tipo de medida não foi visto nas tentativas de lançamento anteriores, e poderia ter sido um esforço para evitar que as autoridades sul-coreanas e americanas recuperassem o (foguete), já que ele está equipado com um novo motor.

Byun Yong-Ik, professor de astronomia da Universidade Yonsei

A explosão foi classificada como incomum por especialistas. Normalmente, os países permitem que os estágios de foguetes caiam naturalmente na atmosfera da Terra. As informações são da Space.com.

publicidade

Reações ao lançamento

Segundo o governo dos Estados Unidos, o satélite espião da Coreia do Norte está, de fato, no espaço. A Casa Branca ainda afirmou que o lançamento foi “uma violação descarada de várias resoluções do Conselho de Segurança da ONU, aumenta as tensões e corre o risco de desestabilizar a situação de segurança na região e além”.

Além dos EUA, Coreia do Sul e Japão condenaram a inciativa dos norte-coreanos. O G7, grupo formado pelos sete países mais industrializados do mundo, e a União Europeia (UE) também emitiram declaração conjunta destacando que consideraram o lançamento como “uma grave ameaça à paz e à estabilidade” do mundo.

Fronteiras Coreia do Norte
Lançamento aumentou as tensões na região (Imagem: World Atlas)

Coreia do Norte teria tido ajuda da Rússia

  • Essa foi a terceira tentativa da Coreia do Norte de enviar um satélite espião ao espaço nos últimos meses.
  • As duas primeiras fracassaram e o governo sul-coreano disse ter encontrado destroços associados a pelo menos um dos lançamentos.
  • Mas dessa vez, de acordo com Seul, a iniciativa do programa espacial norte-coreano contou com o apoio do governo de Moscou.
  • O ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, se reuniram em setembro para fechar um acordo entre os países.
  • Segundo os norte-coreanos o satélite “melhorará a capacidade bélica” diante das “ameaças” de seus rivais.
  • Após o lançamento, o governo do país reforçou suas tropas na fronteira com a Coreia do Sul.