Um levantamento realizado pelo MelhorPlano, plataforma que compara planos de telefonia e internet, revela importantes informações em relação ao comportamento dos clientes. Além disso, aponta que os pacotes de celular mais contratados no Brasil em 2023 são os que apresentam o pior custo-benefício, considerando o preço pago por gigabytes fornecidos.

Leia mais

Preço é decisivo na hora de escolher o pacote

No levantamento, o MelhorPlano analisou os pacotes mais comercializados das principais empresas do setor entre janeiro e outubro de 2023. A conclusão é que 14 dos 20 planos mais contratados estão entre os mais baratos de cada companhia telefônica, confirmando que os usuários tendem a levar em conta mais o preço da mensalidade do que outros benefícios.

Mas para a plataforma, uma das principais medidas para avaliar a capacidade de dados no mercado de internet, os GBs de um pacote, são ignorados por consumidores. Quanto maior esse número, mais conteúdo é possível acessar pela internet móvel do celular.

publicidade

O custo por gigabyte não é algo que o usuário avalie no primeiro momento ao encontrar um plano de celular. Mesmo que o plano tenha uma franquia de internet pequena, se o serviço incluir aplicativos ilimitados, já é um ponto positivo, principalmente para quem não usa tanta internet no dia a dia.

Felipe Byrro, um dos fundadores do MelhorPlano.

Três principais tipos de pacotes de internet comercializados pelas operadoras no Brasil

  • Pré-pagos: o plano de telefonia e celular é contratado com valor e quantidade de dados fixos; pode-se usá-lo até que os dados contratados sejam consumidos;
  • Pós-pagos: os serviços de internet, SMS e telefonia são cobrados (em geral, mensalmente) após o uso, com base no que foi consumido pelo cliente. Caso o uso feito exceda o valor contratado, um preço adicional é cobrado.
  • Controle: híbridos, são pacotes em que se paga um valor fixo mensal em troca de uma franquia pré-determinada de ligações, SMS e internet. É como se o consumidor contratasse um plano pré-pago, mas fosse cobrado da mesma forma que num plano pós-pago. Eles são uma boa opção intermediária, com uma previsibilidade maior de gastos.
Celular para idoso com internet
Imagem: Prostock-studio / Shutterstock

Pior custo-benefício

De acordo com o MelhorPlano, o interesse em planos pré-pagos vem caindo nos últimos anos. Em contrapartida, cresce a procura dos planos controle.

O levantamento apontou que o plano mais contratado da Claro em 2023 foi o Claro Controle 15 GB, totalizando 60,6% das assinaturas totais da operadora. O segundo lugar ficou com o Claro Controle 20 GB, com 29,4%.

Já na TIM, o plano mais contratado foi o TIM Controle 25 GB – boleto, com 32,2% das assinaturas totais da operadora. Na sequência, vem o TIM Controle 21 GB – cartão de crédito, representando 22,9% das vendas da operadora. E na Vivo, o plano líder de vendas foi o Vivo Controle 14 GB, que corresponde a 37,2% das assinaturas da operadora.

No entanto, a plataforma destaca que os planos mais vendidos representam o pior custo-benefício para o cliente. O plano Claro Controle 15 GB, por exemplo, custa R$ 49,90 mensais e tem o preço por gigabyte mais caro entre os pacotes da operadora: R$ 3,33 por GB.

No caso do TIM Controle 25 GB – boleto, o custo-benefício é o segundo pior entre as opções da operadora: com preço de R$ 52,50 por mês, cobra R$ 2,12 por GB de internet. E o Vivo Controle 14 GB, que está na mesma faixa de preço (R$ 52 por mês), tem o mesmo valor por GB, o que também o coloca entre os piores custo-benefício providenciados pela empresa.

Isso acontece em função dos planos com melhor custo-benefício serem do tipo pós-pago, geralmente mais caros. Exemplo disso é o Claro Pós 400GB, com custo de R$ 0,75 por GB, mas com uma mensalidade de R$ 299,90 e que exige fidelidade de 12 meses.

Já o plano de melhor custo-benefício da TIM é um dos mais vendidos. No TIM Black 72GB, o gigabyte sai por R$ 1,53, mas só em caso de pagamento no cartão de crédito. As informações são do UOL.