Um projeto inédito abastecerá dois data centers do Google em Nevada, Estados Unidos, com energia limpa. A iniciativa partiu de uma parceria da big tech com a startup Fervo, que criou uma nova tecnologia de energia geotérmica. 

Leia mais:

O que já foi divulgado até aqui

  • O projeto terá capacidade de gerar 3,5 MW de energia e fornecerá eletricidade à rede local que atende dois data centers do Google.
  • Os data centers são famosos por consumir muita eletricidade. Para efeito de comparação, 1 MW já é suficiente para alimentar em média mais de 700 casas.
  • A iniciativa faz parte do plano da empresa de zerar sua pegada de carbono até 2030 combinando o uso de energia geotérmica e outras fontes como eólica e solar.
Google anunciou o “primeiro acordo corporativo do mundo para desenvolver um projeto de energia geotérmica de próxima geração” em 2021. Imagem: Google

Como funciona o novo sistema geotérmico do Google?

Uma central geotérmica comum normalmente extrai fluidos quentes de reservatórios naturais para produzir vapor que faz girar turbinas. O novo projeto, porém, foi construído nos arredores de um campo geotérmico com rocha quente, mas sem fluidos.

  • Para gerar energia geotérmica no local, a Fervo teve que perfurar dois poços horizontais por onde bombeia água fria nas fraturas das rochas.
  • Ela aquece e gera vapor de volta à superfície. O sistema é fechado e a água é sempre reutilizada.
  • A Fervo também instalou cabos de fibra óptica nos poços para coletar dados em tempo real sobre vazão, temperatura e desempenho do sistema geotérmico. 

Ao contrário dos parques eólicos e solares, sensíveis às condições meteorológicas, os projetos geotérmicos podem gerar eletricidade de forma mais consistente. Essa é uma das razões pelas quais o Google está trabalhando em mais projetos como este.

publicidade

Por enquanto, a empresa não revelou onde mais deve implantar o uso de energia geotérmica em seus data centers.