O programa Venera, desenvolvido pela União Soviética entre 1961 e 1984, foi responsável pelos únicos registros que temos do planeta Vênus.

Diferente das imagens capturadas do espaço pela NASA através da sonda Solar Parker, que, pela primeira vez, mostraram o planeta em luz visível, as fotos da Venera revelam detalhes sobre a superfície de Vênus.

Leia mais:

Como explicou uma matéria recente do Science Alert, as sondas Venera 9 e 10, foram as primeiras a tirar imagens panorâmicas de Vênus, enquanto a Venera 13 e 14, além de captar fotos, conseguiram gravar o som do planeta — que você pode conferir no vídeo abaixo.

publicidade

Nas imagens divulgadas pela Agência Espacial Russa, é possível conferir as primeiras imagens de Vênus, capturadas pelo Venera 9 e Venera 10, tiradas respectivamente entre 1975 e 1982.

Como as imagens são de décadas atrás, o granulado das imagens atrapalha a visão sobre o planeta. Então, em 2021, Ted Stryk, professor de filosofia no Roane State Community College em Oak Ridge, utilizou dados da Academia Russa de Ciências para reconstruir as imagens do Venera 9 e 10, deixando-as muito mais visíveis. Devido a direitos autorais não podemos colocá-las na publicação, mas você pode conferi-las através deste link.

Já nas imagens do Venera 13 e 14, há uma tonalidade dourada que, segundo o Science Alert, é resultado da filtragem da luz solar através das nuvens venusianas, que resultam nesse tingimento da superfície.

No processamento das imagens feito pela Universidade Brown, é possível notar que as rochas e a sujeira da superfície do planeta tem uma tonalidade acinzentada escura, que provavelmente está relacionada às características vulcânicas da superfície de Vênus. Veja:

Venus
(Crédito: USSR Academy of Sciences/Brown University)

A próxima missão com destino a Vênus — com capacidade de revelar mais imagens da superfície — é elaborada pela empresa aeroespacial norte-americana Rocket Lab, que pretende lançar uma nova sonda em direção ao planeta entre 2024 e 2025. Espera-se que após lançada, a trajetória da sonda até o planeta dure cerca de cinco meses. Saiba mais.