Cientistas da Universidade Johns Hopkins desenvolveram um estimulador espinhal que pode ajudar a restaurar a função dos membros inferiores de pacientes com algum tipo de paralisia. O pequeno dispositivo pode ser implantado de forma não invasiva através de uma seringa.

Leia mais

Método não invasivo

  • As lesões na coluna vertebral interrompem o fluxo de sinais elétricos do cérebro para as partes inferiores do corpo, reduzindo a mobilidade e, em casos graves, levando à paralisia total. 
  • Os estimuladores espinhais são dispositivos que podem ser implantados através de procedimentos cirúrgicos na coluna do paciente para contornar o local da lesão e restaurar a mobilidade em alguma escala.
  • No entanto, dificilmente eles conseguem recuperar totalmente os movimentos, além de apresentarem problemas de precisão.
  • Por isso, uma equipe da Johns Hopkins desenvolveu um dispositivo muito menor, flexível e extensível.
  • Ele foi descrito em pesquisa publicada na revista Nano Letters.

Testes com implante foram promissores

O dispositivo é colocado em um local diferente de outros estimuladores: a superfície peridural ventrolateral. Ela não só está perto dos neurônios motores para melhor precisão, mas garante que seja implantado apenas com uma injeção com uma seringa regular, sem necessidade de cirurgia.

Os testes em camundongos paralisados se mostraram promissores.

publicidade

Aplicando essa nova tecnologia em um modelo de camundongo, evocamos movimentos das pernas usando uma corrente elétrica quase duas ordens de magnitude menor do que a usada na estimulação dorsal tradicional.

Dinchang Lin, principal autor do estudo

Os pesquisadores afirmaram que o dispositivo permitiu uma gama mais ampla de movimentos, mas também programar o padrão de estimulação do conjunto de eletrodos, o que resultou em movimentos mais naturais das pernas, como pisar, chutar e acenar.

A equipe diz que a tecnologia pode eventualmente ajudar a restaurar a função motora em pacientes com lesões na medula espinhal ou doenças neurológicas. Ser menos invasivo deve tornar o tratamento mais acessível e diminuir o custo, ampliando a quantidade de pessoas que ele poderia atingir.

No entanto, os cientistas lembram que ainda são necessários mais testes, inclusive experimentos em humanos. O próximo objetivo da equipe é comprovar a segurança do procedimento como um todo. As informações são da New Atlas.