Cientistas da Universidade Cornell, nos Estados Unidos, criaram uma tecnologia que combina pequenos sonares alimentados pela tecnologia CHIRP, uma versão miniaturizada da mesma tecnologia usada para mapear oceanos ou rastrear submarinos, com inteligência artificial. Batizada de “PoseSonic”, ela pode revolucionar os óculos inteligentes do futuro, melhorando a precisão e a privacidade.

Leia mais

PoseSonic

  • Segundo os pesquisadores, a tecnologia pode construir uma imagem de perfil de eco precisa do usuário.
  • O sonar capta ondas sonoras que são muito silenciosas para a audição humana.
  • Além de melhorar a precisão e a privacidade do usuário, o uso da tecnologia tornaria a produção de novos óculos inteligentes mais barata.
  • O “PoseSonic” foi descrito na revista ACM Digital Library.
  • As informações são da Live Science

Nova tecnologia de óculos inteligentes

Os óculos inteligentes de realidade aumentada oferecidos atualmente no mercado usam câmeras para rastrear o usuário, ao lado de tecnologias sem fio como Bluetooth, Wi-Fi e GPS. Mas o vídeo contínuo drena a bateria rapidamente e pode representar um risco de privacidade.

O rastreamento acústico, por outro lado, é mais barato, eficiente e discreto. O “PoseSonic” usa microfones e alto-falantes instalados ao lado de um microprocessador, módulo Bluetooth, bateria e sensores.

publicidade

Os pesquisadores criaram um protótipo funcional por menos de US$ 40, cerca de R$ 200, custo que pode ser reduzido a partir da produção em massa dos produtos no futuro.

Os alto-falantes do PoseSonic rebatem ondas sonoras que são inaudíveis para os humanos fora do corpo e de volta para os microfones, o que ajuda o microprocessador a gerar uma imagem de perfil. Isso é alimentado em um modelo de IA que estima as posições 3D de nove articulações do corpo, incluindo ombros, cotovelos, pulsos, saltos e nariz.

O algoritmo é treinado usando quadros de vídeo para referência, o que significa que, ao contrário de outros sistemas vestíveis semelhantes, ele pode funcionar em qualquer usuário sem antes ser treinado neles especificamente.

Como o equipamento de áudio usa menos energia do que as câmeras, o PoseSonic pode funcionar em óculos inteligentes por mais de 20 horas contínuas, e uma versão futura da tecnologia poderia ser integrada a um dispositivo vestível habilitado para realidade aumentada sem ser desconfortável ou muito volumoso.

O sonar também é melhor para a privacidade, já que o algoritmo processa apenas as ondas sonoras que ele mesmo produz para construir a imagem 3D, em vez de usar outros sons ou capturar imagens. Esses dados podem ser processados localmente no smartphone do usuário, em vez de enviados para um servidor de nuvem pública, o que significa que corta as alterações de dados interceptados.