Alguns meses depois de anunciar que o Windows 10 perderá o suporte operacional em 2025, a Microsoft revelou que vai permitir que usuários paguem para receber atualizações de segurança por mais tempo. Essa é a primeira vez que a empresa abre essa possibilidade para clientes que optem por não atualizar o sistema para o Windows 11.

Leia mais:

Fim do Windows 10

Pouco mais de 10 anos depois de implementar o Windows 10, a Microsoft anunciou em abril deste ano que vai descontinuar as atualizações para o sistema. Os usuários continuarão recebendo atualizações de segurança até 14 de outubro de 2025, mas já não recebem mais novos recursos. As novidades ficam limitadas ao Windows 11 e, no anúncio original, a empresa recomendou a atualização.

No entanto, o Windows 10 continua extremamente popular e, segundo o site The Verge, a Microsoft chegou a afirmar que estaria “revisitando” a abordagem ao sistema. Isso porque a big tech está adicionando IA ao Copilot, entre outros “investimento adicionais”.

publicidade

E se a esperança era de que a companhia voltasse atrás e estendesse a data para o encerramento do Windows 10, ao menos nos aspectos de segurança, não foi isso que aconteceu.

Windows 10
Imagem: Wachiwit/Shutterstock

Plano para atualizações de segurança

  • No lugar, a Microsoft oferece uma possibilidade do usuário que quiser seguir usando o Windows 10 pagar para receber atualizações de segurança.
  • A empresa já oferecia essa opção para empresas que precisavam manter seus sistemas antigos funcionando, mas é a primeira vez que abre a opção para usuários individuais.
  • Em um comunicado, a Microsoft voltou a recomendar a atualização para o Windows 11. No entanto, para quem quiser mantê-lo, pode pagar as atualizações de segurança.
  • A big tech ainda lembrou que esse novo plano não inclui atualizações de software ou novidades nesse sentido, nem suporte.

Como obter o novo plano

A empresa esclareceu que usuários que queiram continuar no Windows 10 após 14 de outubro de 2025 poderão se inscrever no programa Atualizações de Seguranças Estendidas (ESU, na sigla em inglês).

A Microsoft não chegou a divulgar valores, dizendo que faria isso “posteriormente”.