A AMC Theatres, maior rede de cinemas dos EUA, anunciou um renascimento significativo nos cinemas por lá, impulsionado pela nostalgia e curiosidade. Para você ter uma ideia, a empresa relatou seus melhores ganhos trimestrais em 103 anos.

Para quem tem pressa:

  • A AMC Theatres, a maior rede de cinemas dos EUA, apontou um renascimento significativo nos cinemas, impulsionado pela nostalgia e curiosidade, relatando os melhores ganhos trimestrais em seus 103 anos de história;
  • Filmes como “Barbie” e “Oppenheimer” foram cruciais para este sucesso, arrecadando US$ 1,4 bilhão e US$ 947 milhões em bilheteria, respectivamente; o filme e a turnê “The Eras Tour” de Taylor Swift também contribuíram para um recorde de receita de bilheteria para a AMC;
  • No Brasil, após uma queda significativa no número de espectadores durante a pandemia, os cinemas devem registrar 108 milhões de pessoas em 2023, mais do que o dobro de 2021 e 14% acima do total de 2022.
  • Um relatório da National Association of Theatre Owners destacou a importância de lançamentos fortes e campanhas de marketing para atrair o público.

A franquia contou com receitas substanciais provenientes dos filmes “Barbie” e “Oppenheimer”, que arrecadaram US$ 1,4 bilhão (R$ 6,8 bilhões) e US$ 947 (R$ 4,7 bilhões) milhões em bilheteria, respectivamente. O recente filme de Taylor Swift e sua turnê “The Eras Tour” também contribuíram para um recorde de receita de bilheteria para a AMC.

Leia mais:

No Brasil, a pandemia fez com que o número de espectadores caísse de 177 milhões em 2019 para 39 milhões em 2020. Agora, com o fim das restrições, os cinemas brasileiros devem registrar a marca de 108 milhões de pessoas em 2023 – mais que o dobro de 2021 e 14% acima do total registrado em 2022.

publicidade

Recuperação do cinema…?

Imagem de sala de cinema
(Imagem: Pexels)

Para o terceiro trimestre, a AMC registrou uma receita total de US$ 1,4 bilhão (R$ 6,8 bilhões), um aumento superior a 45% em relação a 2022, segundo o site Fortune. “Este trimestre inteiro foi rejuvenescedor para a AMC,” disse Adam Aron, presidente e CEO da AMC, destacando o retorno dos cinéfilos e o aumento na qualidade e quantidade de lançamentos dos estúdios.

Não foram apenas o “Barbenheimer” e o efeito Taylor Swift que fizeram do terceiro trimestre um sucesso para a AMC. Aumentar as reservas de caixa e eliminar locais malsucedidos ajudou a mega rede de cinemas a continuar sua recuperação da pandemia.

Durante o terceiro trimestre, a AMC adicionou um novo cinema para cada três que fechou. Isso eleva o número total de locais fechados desde o início da pandemia para 156 e o total de novos locais abertos para 57. O resultado: uma redução líquida de 99 locais.

O contexto

Apesar de alguns cinemas não terem “sobrevivido” ao ano e acabaram convertidos para outros usos, fato é que o sucesso de filmes como “Barbie” e “Oppenheimer” atraiu milhões de volta às salas de exibição.

Um relatório da National Association of Theatre Owners mostrou que mais de 200 mil pessoas compraram ingressos para ambos os filmes no mesmo dia durante o fim de semana de estreia, por exemplo.

Jackie Brenneman, presidente da Cinema Foundation, ressaltou a importância de lançamentos fortes e campanhas de marketing na escolha do público, independentemente de onde assistam aos filmes. “Quando os filmes estão lá, o público está lá,” concluiu Brenneman em seu relatório sobre o estado da indústria cinematográfica.