Uma nova investigação de dois fósseis encontrados há décadas na Colômbia, revelou que o que durante muito tempo foi tido como plantas, na verdade, são o interior de carapaças de filhotes de tartarugas. A confusão rendeu a eles o apelido de Turtwig, em homenagem ao Pokémon que é parte planta e parte tartaruga.

A nova pesquisa foi publicada na revista  Palaeontologia Electronica e foi conduzida por Héctor Palma-Castro, paleobotânico da Universidade Nacional da Colômbia. Esses fósseis, que datam de 132 e 113 milhões de anos atrás, chamaram atenção do pesquisador porque eram associados a uma espécie chamada Sphenophyllum colombianum, gênero extinto 100 milhões de anos antes da formação dos vestígios e que nunca foi encontrado na região.

Os Turtwigs investigados fazem parte da coleção de plantas da Universidade Nacional da Colômbia, em Bogotá, e foram encontrados pelo Padre Gustavo Huertas, entre 1950 e 1970, próximo à cidade de Villa de Levya. Desde sempre eles foram considerados suspeitos, e quando os investigadores os analisaram, perceberam que as linhas presentes neles não pareciam nervuras de plantas, e sim ossos.

As linhas no Turtwig se parecem mais com ossos do que nervuras de plantas
As linhas no Turtwig se parecem mais com ossos do que nervuras de plantas (Crédito: Fabiany Herrera and Héctor Palma-Castro)

Quando os paleobotânicos perceberam que as marcas na pedra poderiam ser ossos, o paleontólogo Edwin-Alberto Cadena, da Universidade Del Rosario, com experiência em tartarugas antigas, foi contactado. 

publicidade

Eles me enviaram as fotos e eu disse: ‘Isso definitivamente parece uma carapaça’ – a parte superior óssea de uma tartaruga. Eu disse: ‘Bem, isso é notável, porque não é apenas uma tartaruga, mas também um espécime filhote, é muito, muito pequeno’.

Edwin-Alberto Cadena, em resposta a ScienceAlert 

Leia mais:

Fósseis de tartarugas

A identificação incorreta originalmente se deu provavelmente devido à falta das marcas típicas da parte externa de uma carapaça e ao fato das vértebras e costelas da tartaruga se assemelharem à nervura central de uma folha.

A análise dos fósseis sob esse novo olhar permitiu que fosse determinada a idade dos Turtwigs. Invés de filhotes, os espécimes são, na verdade, jovens tartarugas com cerca de um ano. Elas são provavelmente de alguma espécie marinha do Cretáceo, que podiam chegar até 4,5 metros de comprimento.

Após essa descoberta, os paleobotânicos apontam a necessidade de reestudar as coleções de fósseis da Colômbia.