A seca histórica que atinge a Amazônia em 2023 já é considerada a pior em mais de 40 anos. O fenômeno afeta todos os nove países da bacia amazônica, provocando uma série de problemas ambientais, sociais e econômicos.

De acordo com pesquisa recente do Centro Científico da União Europeia (UE), os menores volumes de chuva registrados nos meses de julho a setembro deste ano afetam especialmente as cabeceiras dos rios:

  • Solimões;
  • Purus;
  • Juruá;
  • Madeira, na região centro-sul do estado do Amazonas;
  • Além dos países mais ao sul da floresta: Peru e Bolívia.

Leia mais:

Nesse sentido, as chuvas variaram de 100 a 350 milímetros abaixo do normal, o que corresponde cerca da metade do esperado para a região.

publicidade

Onda de calor

O estudo, divulgado pela Agência Brasil, também confirmou que, de agosto a novembro, uma série de ondas de calor elevou as temperaturas para uma marca recorde nessa época do ano. As máximas nesses meses ficaram de 2 °C a 5 °C acima da média histórica.

No Amazonas, todos os 62 municípios estão em situação de emergência, sendo mais de 630 mil pessoas afetadas pela seca.

amazonia amazonas
Imagem: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Falta de acesso a bens essenciais

Assim como o boletim de estiagem mais recente, divulgado pelo governo do Estado, aponta níveis fluviais baixos, o que dificulta a mobilidade nas comunidades ribeirinhas e o acesso a bens essenciais.

Além disso, a seca aumenta o risco de incêndios florestais, que já devastaram mais de 1,5 milhão de hectares de floresta amazônica em 2023.

O estudo da UE sugere a necessidade de resposta regional abrangente para enfrentar a seca na Amazônia.

Sendo assim, as previsões indicam que as condições mais secas e quentes devem prosseguir em 2024, principalmente devido à continuidade do El Niño.