O ano de 2023 foi o melhor da história em número de vendas de veículos elétricos. No entanto, o setor também enfrentou grandes dificuldades no processo de criação de estrutura para recarga dos carros. Além disso, as montadoras têm um grande desafio em relação à transição para longe dos combustíveis fósseis. O que esperar então de 2024?

Leia mais

Veículos elétricos vão decolar?

  • Especialistas apontam que existe o risco do setor de veículos elétricos pode estabilizar neste ano.
  • O problema segue sendo a falta de infraestrutura e acesso para o público em geral.
  • Por outro lado, algumas notícias empolgam os fãs dos EVs.
  • A adoção do padrão de recarga da Tesla por outras montadoras vai facilitar a vida dos usuários.
  • Aliado a preços mais baixos, isso pode significar avanços no setor, embora num ritmo mais lento de vendas em relação ao ano passado.
  • A previsão é que a participação dos elétricos no mercado dos EUA, por exemplo, atinja a marca de 10% em 2024.
  • As informações são do InsideEVs.
(Imagem: Rawpixel)

Eleições nos EUA e as incertezas no setor

A China vai continuar desempenhando um papel fundamental no mercado dos elétricos. A nova geração de modelos chineses e de baixo custo já tomou de assalto o mercado europeu e agora busca novos destinos (é o caso do Brasil).

Tarifas rígidas mantêm a BYD e as outras montadoras chinesas fora dos Estados Unidos (por enquanto). Por lá, a Tesla segue sendo a principal empresa do setor e sem concorrentes. Mas e se isso mudar em 2024? A disputa entre a empresa de Elon Musk e a BYD em outros lugares do mundo já é acirrada e, aparentemente, elas seguirão sendo as duas principais montadoras do mercado.

publicidade

As eleições nos EUA também são importantes nesse cenário. Um possível retorno de Donald Trump ao comando do país pode significar a reversão das rígidas regras de economia de combustível que estão ajudando a impulsionar o mercado de carros elétricos. O republicano já fez isso no primeiro mandato. Por outro lado, a manutenção de Joe Biden não quer dizer que os EVs vão decolar.

No curto prazo é totalmente plausível que a maioria das montadoras não faça grandes movimentos esperando o rumo que a política norte-americana vai apontar. Isso pode significar menos investimentos em novas fábricas de carros e de baterias. Além disso, pode acabar deixando muitas montadoras definitivamente sem condições de competir com as rivais chinesas. Vamos ter que aguardar para confirmar alguma dessas hipóteses.