A justiça da Califórnia, nos Estados Unidos, deu razão à Netflix em um processo que acusava a empresa de streaming de esconder até que ponto o compartilhamento de contas estava impedindo o crescimento da companhia. A ação pedia o pagamento de uma indenização aos investidores que compraram ações da Netflix entre janeiro de 2021 e abril de 2022.

Leia mais

Entenda o caso

  • Um fundo de investimento com sede no Texas processou a Netflix em maio de 2022.
  • A disputa judicial começou depois que as ações da empresa perderam um terço de seu valor.
  • A expressiva queda foi causada por uma declaração da companhia de que o número de assinantes estava diminuindo pela primeira vez em uma década.
  • Na oportunidade, a Netflix alegou que o compartilhamento de contas e a concorrência estão prejudicando o crescimento da empresa.
  • O então CEO da companhia, Reed Hastings, também destacou que a pandemia de Covid-19 estava dificultando a interpretação das tendências, e prejudicando o aumento dos assinantes do serviço de streaming.
  • As informações são da Reuters.

Não há evidências de irregularidades praticadas pela Netflix

O processo pedia indenização em nome de investidores que compraram ações da Netflix entre janeiro de 2021 e abril de 2022. Eles alegaram que a empresa não deixou claro até que ponto o compartilhamento de contas estava impedindo o crescimento da companhia, o que gerou prejuízo aos detentores de papéis da empresa na bolsa norte-americana.

Em sua decisão, o juiz distrital dos EUA Jon Tigar, no entanto, afirmou que o processo não incluía evidências de que a empresa estava ciente da extensão do problema pelo tempo que os investidores alegaram. O magistrado também informou que os processantes podem acrescentar fatos para reforçar as alegações em uma nova ação.

publicidade

Nenhuma das partes envolvidas na disputa judicial se pronunciou oficialmente após a decisão.

Lembrando que após a queda das ações, a Netflix decidiu proibir o compartilhamento de senhas. Desde então, o número de assinantes tem aumentado (foram quase 9 milhões de novos clientes no terceiro trimestre de 2023) e a empresa retomou o crescimento.